Farfetch abre novo pólo de tecnologia em Braga

  • ECO
  • 1 Março 2018

Depois de Guimarães, Porto e Lisboa, Braga é o local escolhido para a criação de um novo pólo de tecnologia da Farfetch. Espaço terá capacidade para cerca de 150 pessoas.

A Farfetch vai abrir o quarto escritório em Portugal. Depois de Guimarães, Porto e Lisboa, Braga é o local escolhido para a criação de um novo pólo de tecnologia, num novo espaço que terá capacidade para cerca de 150 pessoas.

“Estamos a criar um novo espaço que vem dar resposta à nossa estratégia e ao crescimento da equipa em Portugal. Braga é considerada uma das cidades mais jovens do país, dinâmica e inovadora, e reúne as condições certas para receber um novo pólo de tecnologia da Farfetch”, afirma Luís Teixeira, diretor-geral da Farfetch em Portugal, num comunicado enviado às redações.

"Estamos a criar um novo espaço que vem dar resposta à nossa estratégia e ao crescimento da equipa em Portugal. Braga é considerada uma das cidades mais jovens do país, dinâmica e inovadora, e reúne as condições certas para receber um novo pólo de tecnologia da Farfetch.”

Luís Teixeira

Diretor-Geral da Farfetch em Portugal

A Farfetch, enquanto plataforma de tecnologia global, tem vindo a investir e desenvolver iniciativas orientadas para o desenvolvimento de soluções inovadoras para a moda de luxo. Cipriano Sousa, Chief Technology Officer da Farfetch, refere “este novo hub permitirá um crescimento das equipas, essencialmente na área de tecnologia, trabalhando em rede e ligação direta com equipas de engenharia e produto, localizadas em vários escritórios em Portugal e no mundo, desde Londres até à China.”

O responsável acrescenta que com a presença em Braga “estamos a posicionar a Farfetch numa cidade que, acreditamos, tem muito potencial do ponto de vista de expertise em diferentes áreas. Acreditamos que desde perfis mais jovens, até perfis mais experientes, a região de Braga é uma forte incubadora de talento, nas áreas de engenharia e ciências”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farfetch abre novo pólo de tecnologia em Braga

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião