Rui Rio: “Não há nenhuma aproximação ao PS. A aproximação é a mesma que há ao CDS”

O líder do PSD disse que o partido não tem "nenhuma aproximação ao PSD" nem ao CDS. Rui Rio acrescentou ainda que está contra a lei do financiamento dos partidos.

Rui Rio disse esta quinta-feira que o PSD não tem qualquer ligação com o Partido Socialista nem com o CDS. O líder dos democratas acrescentou ainda que nunca afirmou que pretendia fazer um acordo com o PS. Ao mesmo tempo, reiterou que está contra a lei do financiamento dos partidos.

Esta semana, Assunção Cristas disse que queria encontrar-se com Rui Rio para encontrar uma alternativa às “esquerdas unidas”. À saída do encontro, o líder do PSD disse aos jornalistas: “Não há nenhuma aproximação ao partido socialista, a aproximação ao partido socialista é a mesma que há ao CDS. Aquilo que a minha conversa com o líder do partido socialista teve não é muito diferente daquela conversa que eu tive com a líder do CDS, no que concerne às questões estruturais”. “No que concerne à governação, claro que é diferente”, acrescentou.

Cada um de nós tem o seu rumo que pode não ser muito diferente porque, se realmente há problemas sérios na saúde em Portugal neste momento, não precisamos de fazer estratégia conjunta nenhuma. É lógico que o CDS vai apontar isso como partido de oposição e nós também. As coisas são como são”, sublinhou. O presidente dos democratas frisou ainda que nunca disse que pretendia fazer uma acordo com o partido socialistas, mas sim “fazer acordos estruturais”.

Rui Rio deixou ainda clara a sua posição quanto à lei do financiamento dos partidos: “Eu entendo que uma lei que venha a isentar os partidos políticos de IVA em tudo, tem a oposição do PSD. Ou seja, não tem nada a ver com a atuação política. Aquilo que está na legislação, em vigor, é apenas para a atividade política e para a difusão da mensagem política. Os partidos estarem isentos de IVA em Portugal, eu estou contra”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio: “Não há nenhuma aproximação ao PS. A aproximação é a mesma que há ao CDS”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião