PS não trabalha com PSD em “áreas de risco” para a solução governativa

  • ECO
  • 3 Março 2018

Segurança Social é um dos exemplos utilizados por Carlos César em entrevista à Antena1. O presidente do PS salienta que há visões diferentes neste âmbito.

O presidente do PS garante que não está a trabalhar com o PSD “em áreas de risco para a unidade dos partidos que apoiam o Governo”. Apontando para o caso da Segurança Social diz: “certamente que isso abalaria muito a nossa relação à esquerda mas abalaria muito também o próprio Partido Socialista”.

Em entrevista à Antena1, Carlos César indicou ainda que o PSD atravessa uma “fase conturbada” com a nova liderança. “Para já, a grande prioridade com certeza do Dr. Rui Rio não é a de atentar contra a solução política atual do Governo, mas a de acautelar a sua solução política no próprio interior do PSD”, vincou o líder do grupo parlamentar do PS.

Já sobre a lei de financiamento dos partidos, Carlos César mostrou-se confiante na promulgação do diploma, sem comentar a posição do Bloco de Esquerda, que chumbou a proposta dos socialistas numa junção de forças com a direita.

O presidente do PS entende ainda aque existe um problema de “interlocução social” em Portugal. “Quando nós ouvimos uma organização representativa do empresariado, nós não ficamos com a certeza de que essa organização esteja a representar de facto a opinião dos empresários”, afirma. Comparando a opinião de confederações sobre a economia ou o desempenho do Governo com as declarações individuais de empresários representativos do investimento, “uma coisa não se conjuga com a outra”, remata Carlos César.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS não trabalha com PSD em “áreas de risco” para a solução governativa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião