Bancos centrais desequilibrados. Mulheres perdem na liderança

  • ECO
  • 5 Março 2018

A saída de Janet Yellen do cargo de presidente da Reserva Federal Americana, lugar que cedeu a Jerome Powell, foi o fator que mais pesou na quebra deste índice.

Os números da igualdade de género nos bancos centrais já não eram equilibrados em 2017, mas em 2018 pioraram. Há menos mulheres a ocupar altos cargos nestas instituições financeiras — com o índice que mede este equilíbrio a recuar dos 31% para os 19% a nível mundial. A saída de Janet Yellen da Fed traz maus resultados à representatividade feminina.

A descida de Janet Yellen da cadeira de presidente da Reserva Federal Americana, lugar que cedeu a Jerome Powell, foi o fator que mais pesou na quebra deste índice. Só na América do Norte, os níveis de igualdade de género caíram de 68% para 24%, segundo os dados do Official Monetary and Financial Institutions Forum, que revelou o Gender Balance Index, nota a Bloomberg (conteúdo em inglês/acesso condicionado). Este índice tem em conta não só a quantidade de mulheres nos cargos de chefia mas também o nível de senioridade.

Com a grande quebra nos EUA, é a Europa que consegue a dianteira entre as seis regiões avaliadas — América do Norte, América Latina e Caraíbas, África, Médio Oriente e Ásia Pacífico. O Velho Continente regista mesmo melhorias em relação ao ano anterior, contrariando a tendência geral. Contudo, fica-se pelos 35% no índice.

Entre os 25 membros do Conselho de Governadores do Banco Central Europeu, só há duas mulheres. A Europa tem a oportunidade de mostrar melhores números no final deste ano, quando os mandatos de quatro membros do conselho executivo terminam o prazo.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Bancos centrais desequilibrados. Mulheres perdem na liderança

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião