Bolsas recuperam. Dados económicos positivos compensam fator Trump

Os investidores focaram-se na divulgação de dados económicos positivos, mas os analistas continuam em alerta com a guerra comercial lançada pelo presidente norte-americano.

As bolsas norte-americanas recuperaram em força esta segunda-feira, depois de uma semana em que foram penalizadas pela guerra comercial lançada por Donald Trump. Esta segunda-feira, Wall Street chegou a abrir no vermelho, mas os investidores focaram-se em dados económicos positivos e as bolsas acabaram por dar a volta.

O índice de referência S&P 500 subiu 1,11%, para os 2.721,01 pontos. Já o industrial Dow Jones avançou 1,4%, para os 24.880,27 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq valorizou 1%, para os 7.331,10 pontos. O Dow Jones, que tem sido o índice mais penalizado pela guerra comercial lançada por Trump, interrompeu, assim, um ciclo de quatro sessões consecutivas de quedas, ao registar o maior ganho em mais de quatro semanas.

A contribuir para este movimento estiveram novos dados do índice PMI, que mede a atividade económica da indústria e dos serviços, relativo a fevereiro deste ano. O índice para a atividade nos Estados Unidos fixou-se nos 55,9 pontos, acima dos 53,3 que tinham sido registados em janeiro.

Do lado das matérias-primas, o dia também foi de ganhos. O West Texas Intermediate (WTI), cotado em Nova Iorque, valorizou 1,4% e voltou a negociar acima dos 62 dólares por barril. Isto quando se perspetiva uma quebra semanal significativa dos stocks de petróleo nos Estados Unidos.

Os analistas continuam, contudo, em alerta perante a intenção de Trump de penalizar produtos importados, até porque o presidente norte-americano tem vindo a insistir no assunto ao longo dos últimos dias. Esta segunda-feira, escreveu na sua conta de Twitter que o NAFTA (tratado de livre comércio que envolve o Canadá, o México e os Estados Unidos) “foi um negócio mau para os Estados Unidos”. Só com um “novo e justo” acordo é que Trump admite voltar atrás com a imposição de taxas de 25% sobre as importações de aço e de 10% sobre o alumínio importado.

Assim, os ganhos desta sessão são vistos com cautela. “Vejo a sessão de hoje como uma recuperação técnica. Depois de dois dias de quedas em grande volume na semana passada, as bolsas estão a recuperar ligeiramente”, comenta Colin Cieszynski, analista da SIA Wealth Management, citado pelo MarketWatch.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsas recuperam. Dados económicos positivos compensam fator Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião