Trump admite recuar nas taxas do aço e alumínio se alcançar acordo com México e Canadá

  • Lusa
  • 5 Março 2018

Na semana passada os EUA anunciaram que vão impor uma taxa alfandegária de 25% sobre as importações de aço e de 10% sobre as de alumínio para proteger a indústria nacional, mas Trump admite recuar.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, admitiu esta segunda-feira retirar a proposta sobre tributação das importações de aço e alumínio se for alcançado um acordo comercial justo com o México e o Canadá.

“Temos grandes défices comerciais com o México e o Canadá. O Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (TLCAN), que está sob negociação agora mesmo, tem sido um mau acordo para os Estados Unidos. Enormes deslocalizações de empresas e trabalhos”, escreveu o líder norte-americano numa mensagem no Twiter. Trump, que ameaçou no final da semana passada impor elevadas taxas alfandegárias, acrescentou que “as tarifas sobre o aço e alumínio só serão retiradas se for assinado um novo e justo TLCAN“, um acordo que está em vigor desde 1994.

O presidente norte-americana não deu mais detalhes, nomeadamente sobre a possibilidade de alargar a mais países, e quais. A mensagem de Trump coincide com o fecho da última ronda de negociações sobre o TLCAN que tem lugar esta segunda-feira na Cidade do México, com a presença dos principais negociadores dos três países.

Na semana passada os Estados Unidos anunciaram que vão impor uma taxa alfandegária de 25% sobre as importações de aço e de 10% sobre as de alumínio para proteger a indústria nacional, numa iniciativa que mereceu a crítica da generalidade da comunidade internacional, preocupada com a possibilidade de respostas semelhantes por parte de outros países.

Já esta segunda-feira, o Governo alemão reafirmou que as políticas de “isolamento” e de “protecionismo” dos EUA são “o caminho errado” e insistiu que uma guerra comercial não beneficia ninguém. “Não queremos uma escalada na situação e muito menos uma guerra comercial” que não beneficia a Alemanha, a Europa e os Estados Unidos”, vincou o porta-voz do Governo alemão, Steffen Seibert, reiterando que a redução dos obstáculos comerciais “não se alcança mediante ameaças”.

Nas declarações, o porta-voz de Angela Merkel salientou que a chanceler “sempre defendeu uma redução dos obstáculos comerciais, concretamente através de um acordo comercial transatlântico”.

Também esta segunda-feira o Presidente da França, Emmanuel Macron, disse que se as medidas protecionistas [dos EUA] foram confirmadas, “é importante que a União Europeia reaja rapidamente e de maneira proporcional”. Durante uma conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro do Quebeque, Macron acrescentou que “é claro que as medidas seriam uma violação das regras da Organização Mundial do Comércio; a União Europeia teria então o direito, e seria esse o desejo da França, de meter uma ação na OMC e tomar as contramedidas apropriadas” relativamente aos norte-americanos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump admite recuar nas taxas do aço e alumínio se alcançar acordo com México e Canadá

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião