EDP vendeu palácio no Porto. Queria 5, recebeu 6 milhões

EDP vendeu o Palácio Bijou, na zona da Batalha, por um total de seis milhões de euros, a um investidor internacional. O imóvel de 5.000 metros quadrados estava inicialmente à venda por cinco milhões.

A EDP vendeu um palácio na zona da Batalha, no Porto, a um investidor internacional. O imóvel, colocado à venda inicialmente por cinco milhões de euros, foi vendido por cerca de um milhão a mais do que o valor inicial. O Palácio Bijou, com 5.000 metros quadrados, é considerado um edifício histórico na cidade e pode ser usado para habitação.

Localizado a cerca de 600 metros da principal estação de comboio do Porto — São Bento –, está o Palácio Bijou, vendido esta segunda-feira pela EDP. Constituído por “três prédios interligados e com ótimos acessos rodoviários”, o edifício foi adquirido por um investidor internacional, de acordo com a Worx, consultora responsável pelo processo de venda, em comunicado. A EDP tinha o imóvel desocupado, o que permitiu “maximizar o seu valor de venda”.

A localização do Palácio foi, ainda, um ponto-chave para a realização desta operação e este negócio representou uma oportunidade única de adquirir um dos edifícios mais marcantes do centro histórico do Porto”, refere a Worx.

A imobiliária acrescenta que “tem existido uma procura e um interesse notório de imóveis no centro histórico do Porto, essencialmente
para reabilitação”. Para além disso, a procura por investidores estrangeiros tem aumentado significativamente. Com o aumento da procura, o número de turistas também cresceu, principalmente vindo “através de companhias aéreas low-cost“. Os vistos gold são outro dos fatores que contribuem para estas aquisições no setor imobiliário, com os interessados internacionais a verem no Porto “um ponto central de negócios para instalarem os seus polos de atividade”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP vendeu palácio no Porto. Queria 5, recebeu 6 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião