Edifício d’O Comércio do Porto vai ser transformado em apartamentos de luxo

O edifício do antigo jornal "O Comércio do Porto" está a ser restaurado para ser um empreendimento de luxo. Os apartamentos estão todos vendidos e, a maior parte, a investidores portugueses.

Um icónico edifício no centro histórico do Porto está a ser transformado num empreendimento de luxo, no âmbito de um projeto de reabilitação urbana. A morada do antigo jornal “O Comércio do Porto” é composta por 23 habitações que, ainda sem estarem completamente restauradas, já estão todas vendidas e, a maioria, a investidores nacionais.

Aliados 107D.R.

As obras de reabilitação do edifício Aliados 107, com apartamentos de tipologia T1 a T4, arrancou em 2016 e tem data de conclusão prevista para breve, de acordo com a Predibisa e a JLL, imobiliárias responsáveis pela comercialização. O imóvel é “destinado ao mercado de gama alta” e, ainda em fase de restauro, já está completamente vendido, “tendo-se registado maior procura por parte de compradores portugueses”.

Os valores dos apartamentos variam entre os 215 mil e os 1,45 milhões de euros, com 53 m2 e 243 m2, respetivamente. “A comercialização decorreu num excelente ritmo, não só devido a este ser um projeto exclusivo no coração do Porto e que trará os moradores de volta à Avenida dos Aliados, como também devido às características distintivas do edifício, a par de uma localização prime“, diz João Magalhães, da Predibisa.

O Aliados 107 recupera com excelência um edifício emblemático do Porto, permitindo trazer ao centro histórico um projeto residencial na sua mais importante avenida, refletindo a atual renovação da cidade. É uma proposta irresistível e isso revelou-se quer na dinâmica do ritmo das vendas quer no próprio perfil de comprador“, acrescenta Patrícia Barão da JLL.

O edifício foi construído em 1930 e tem assinatura dos arquitetos Rogério de Azevedo e Baltazar de Castro, sendo um dos edifícios mais emblemáticos da cidade. O novo projeto de reabilitação visa “conservar os aspetos arquitetónicos originais”, acrescentado mais conforto e comodidade. “A procura residencial na Baixa do Porto tem sido constante e crescente, designadamente em edifícios com memória histórica e alvo de reabilitação“, referem.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Edifício d’O Comércio do Porto vai ser transformado em apartamentos de luxo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião