Edifícios restaurados podem pagar IMI de prédio novo

  • ECO
  • 30 Dezembro 2017

Se tiver havido demolições, mesmo que parciais, para reconstruir um prédio, então o seu coeficiente de vetustez pode mudar, o que resulta num pagamento superior de IMI.

Um edifício que tenha sido restaurado ao nível da estrutura resistente do prédio, ou seja, com demolições pelo menos parciais para depois fazer reconstruções, começa a pagar Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) com a idade do prédio atualizada para a data das renovações.

O Diário de Notícias / Dinheiro Vivo escreve este sábado sobre uma resposta da Autoridade Tributária a um contribuinte, na qual o Fisco esclarece que o cálculo da vetustez — ou idade — de um edifício pode mudar se tiver havido alterações estruturais que envolvam demolições, por exemplo, tornando o prédio mais novo. O que se paga de IMI é afetado diretamente pelo coeficiente de vetustez, que diminui com a idade da casa.

A resposta à questão do contribuinte que levou a este esclarecimento, porém, era sobre outro tema. O contribuinte tinha perguntando se a alteração de um imóvel para propriedade horizontal afetaria o seu coeficiente de vetustez — a resposta, nesse caso, é não.

“Se das frações autónomas resultantes da constituição do prédio em propriedade horizontal corresponderem à partes suscetíveis de utilização independente já existentes, sem que o prédio tenha sofrido qualquer modificação, melhoramento ou modificação, o coeficiente de vetustez era o que corresponder à licença de utilização ou da data de conclusão da edificação”, respondeu o Fisco.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Edifícios restaurados podem pagar IMI de prédio novo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião