Há um quarteirão de luxo à venda na Baixa de Lisboa. É todo do BPI

O Fundo de Pensões do BPI vai vender um conjunto de edifícios na Baixa de Lisboa, delimitado pelas ruas mais históricas da cidade. Este quarteirão inclui o edifício central do BPI.

O Fundo de Pensões do banco BPI está a vender um quarteirão inteiro, delimitado por quatro das mais históricas ruas da Baixa de Lisboa. Com cerca de 11 mil metros quadrados, os edifícios permitem conjugar habitação, retalho e hotelaria, com potencial para acolher um dos maiores empreendimentos imobiliários do centro histórico de Lisboa.

O processo de venda está a ser assessorado pela JLL, que refere, em comunicado, que o denominado Augusta Lisbon “tem potencial para desenvolver um dos maiores projetos imobiliários da zona mais emblemática do centro histórico da capital, junto ao Arco da Rua Augusta”.

O ativo, formado por cinco edifícios, é delimitado pela Rua Augusta, Rua do Ouro, Rua do Comércio e Rua de São Julião, e conta com uma área bruta de construção de 11.100 metros quadrados. Atualmente quatro estão a ser ocupados pelo BPI, e ficarão devolutos até ao final deste ano.

É praticamente impossível encontrar um espaço para desenvolvimento imobiliário com esta dimensão, totalmente devoluto e com esta localização na zona. A Baixa é atualmente um dos destinos turísticos mais requisitados de Lisboa, com uma oferta renovada de restaurantes, lojas de rua e hotéis”, disse Fernando Vasco Costa, da JLL.

O projeto tem um potencial fabuloso, até porque poderá conjugar precisamente os usos que estão neste momento a registar maior procura. Trata-se de uma oportunidade absolutamente única no melhor local da Baixa de Lisboa”, acrescenta.

O ECO procurou saber o valor pedido pelo Fundo de Pensões do BPI mas, até agora, não conseguiu obter qualquer informação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há um quarteirão de luxo à venda na Baixa de Lisboa. É todo do BPI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião