Lucros do BPI afundaram de 313 milhões para 10 milhões em 2017

A penalizar os resultados do banco liderado por Pablo Forero estiveram o programa de rescisões e a venda de 2% do capital do BFA.

O BPI obteve lucros de 10,2 milhões no ano passado, o que representa uma quebra de 96,7% em relação aos 313,2 milhões de euros que tinha registado em 2016, o seu melhor resultado de sempre, num ano em que a instituição financeira ainda contou com o contributo do Banco de Fomento Angola (BFA). O resultado ficou também muito aquém das estimativas dos analistas, que antecipavam que o banco alcançasse lucros de 70,5 milhões de euros em 2017.

A penalizar os resultados do banco liderado por Pablo Forero estiveram as rescisões e a venda do BFA, segundo a informação enviada, esta terça-feira, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). O programa de rescisões e de reformas antecipadas voluntárias teve um custo de 78 milhões de euros no ano passado. Por outro lado, a venda de 2% do capital do BFA à Unitel teve um impacto negativo de 320 milhões para as contas do BPI.

Sem contar com estes eventos extraordinários, o BPI teria alcançado um lucro de 191 milhões de euros na atividade em Portugal e de 208 milhões em Angola. Estes são os “melhores resultados dos últimos 10 anos em Portugal”, refere o BPI, em comunicado. Contabilizados estes efeitos extraordinários, o lucro em Portugal ficou-se pelos 122 milhões, enquanto em Angola o banco registou prejuízos de 111 milhões.

Em termos consolidados, a margem financeira do BPI reduziu-se ligeiramente, de 410 milhões para 407 milhões de euros em 2017, um ano em que os custos aumentaram em 13%, para 563 milhões, e em que o produto bancário registou uma quebra de 10%, para 664 milhões de euros. A compensar este agravamento esteve a evolução positiva das comissões, que totalizaram 297 milhões de euros, um aumento de 8,7%.

O crédito concedido a empresas aumentou em 411 milhões de euros, para uma carteira total de 6.863 milhões, elevando a quota de mercado do BPI de 7,7% para 8,3%. Ao mesmo tempo, o crédito a particulares aumentou em 17%, totalizando em 2017 os 12.280 milhões de euros. Já as imparidades reduziram-se para 25,2 milhões de euros, o que corresponde a 0,11% da carteira de crédito.

O banco registou ainda uma evolução positiva dos requisitos prudenciais exigidos pelo Banco Central Europeu (BCE). A 31 de dezembro de 2017, o BPI tinha um rácio de common equity tier 1 (CET1) de 13,2% numa base de “phasing in” (ou seja, com base nas regras aplicáveis em 2017), e de 12,3% com as regras totalmente implementadas, cumprindo os mínimos exigidos.

Notícia atualizada às 17h29 com mais informação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros do BPI afundaram de 313 milhões para 10 milhões em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião