Integração no CaixaBank leva Moody’s a tirar depósitos do BPI de lixo

  • Juliana Nogueira Santos
  • 7 Dezembro 2017

A Moody's melhorou o rating dos depósitos do BPI, retirando-os do grau de investimento especulativo. O outlook também foi melhorado, passando de estável para positivo.

A agência de notação financeira Moody’s melhorou o rating dos depósitos do BPI esta quinta-feira, retirando-os do grau de investimento especulativo — ou seja, do nível de ‘lixo’ — para o nível de investimento. O outlook da dívida a longo prazo e dos depósitos passou também de estável para positivo.

Assim, o rating dos depósitos melhorou três níveis, passando de ‘Ba3’ para ‘Baa3’. O rating da dívida a longo prazo também foi elevado, mas ficou pelo primeiro grau de “lixo”, ou seja passou de ‘Ba3’ para ‘Ba1’.

Como uma das principais motivações para estas melhorias, a Moody’s aponta a passagem do banco português para as mãos dos espanhóis do CaixaBank, uma operação que permitiu atingir “melhorias nos fundamentais financeiros” do BPI.

“A melhoria dos ratings do BPI reflete uma combinação de vários fatores”, pode ler-se na nota da Moody’s, enumerando “as melhorias atingidas nos fundamentais financeiros desde que o espanhol CaixaBank assumiu a maioria do capital em fevereiro de 2017” e “a integração em curso do BPI no grupo” marcada pelo “alinhamento progressivo das estratégias e operações com as da sua nova casa-mãe”

A atividade doméstica do banco liderado por Pablo Forero é também sublinhada pela Moody’s, com esta a considerar que “os níveis de solvabilidade melhorados, as métricas de lucro doméstico moderadas, mas em progressão, e os indicadores de risco acima da média” contribuíram para a decisão.

Ainda assim, a Moody’s considera que o negócio do BPI em Angola se assume como um obstáculo, mesmo que o banco tenha entregue a participação maioritária no Banco de Fomento de Angola a Isabel dos Santos. “A capitalização geral ainda é limitada pelos riscos decorrentes da restante exposição a Angola, dado que detém uma participação de 48,1% no BFA”, nota a agência.

(Notícia atualizada às 19h23 com mais informações)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Integração no CaixaBank leva Moody’s a tirar depósitos do BPI de lixo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião