CGD e BPI ficaram com 100% do banco moçambicano BCI

A CGD e o BPI já compraram os 16% de capital social do banco BCI que ainda eram detidos pela empresa do ministro moçambicano Celso Correia. Passaram a deter a totalidade do capital da instituição.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o BPI detêm agora, em conjunto, a totalidade do capital do Banco Comercial e de Investimentos (BCI), sedeado em Moçambique. Ambas as instituições já eram acionistas do banco moçambicano, mas acabaram por ficar com a posição de 16% que era, até aqui, detida pelo ministro da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural de Moçambique, Celso Correia, de acordo com o jornal Expresso.

O aumento das posições da CGD e do BPI no BCI já foram comunicadas à CMVM. A CGD detinha 51% do banco e “informa que passou a deter, direta e indiretamente, 61,5% do capital social” da instituição. Ao mesmo tempo, o BPI subiu a posição de 30% para 35,67%. O BPI revela que “este reforço de participação resultou de um acordo da CGD e do BPI com a Insitec Capital”, empresa presidida por Celso Correia.

O Expresso recorda que, em 2007, a CGD e o BPI financiaram Celso Correia em 40 milhões e 20 milhões de euros, respetivamente, para a compra da participação no BCI. No entanto, o empresário, agora ministro, não chegou a liquidar a dívida e os bancos estavam a negociar a sua posição até agora.

“A Caixa Geral de Depósitos informa que passou a deter, direta e indiretamente, 61,5% do capital social do BCI”, lê-se num comunicado enviado aos mercados, “reforçando a sua anterior participação de 51% no capital social deste banco moçambicano”. “Este reforço de participação na sua filial tem origem na posição anteriormente detida pela Insitec Capital”, acrescenta.

Do lado do BPI, lê-se: “O banco BPI informa que a sua participação no BCI passou de 30% para 35,67% do capital social desse banco. Este reforço de participação resultou de um acordo da CGD e do BPI com a Insitec Capital.”

Recorde-se que o ministro moçambicano Celso Correia abandonou as funções de presidente do BCI para integrar o governo de Moçambique, liderado desde 2015 por Carlos Agostinho do Rosário.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD e BPI ficaram com 100% do banco moçambicano BCI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião