CGD e BPI ficaram com 100% do banco moçambicano BCI

A CGD e o BPI já compraram os 16% de capital social do banco BCI que ainda eram detidos pela empresa do ministro moçambicano Celso Correia. Passaram a deter a totalidade do capital da instituição.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o BPI detêm agora, em conjunto, a totalidade do capital do Banco Comercial e de Investimentos (BCI), sedeado em Moçambique. Ambas as instituições já eram acionistas do banco moçambicano, mas acabaram por ficar com a posição de 16% que era, até aqui, detida pelo ministro da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural de Moçambique, Celso Correia, de acordo com o jornal Expresso.

O aumento das posições da CGD e do BPI no BCI já foram comunicadas à CMVM. A CGD detinha 51% do banco e “informa que passou a deter, direta e indiretamente, 61,5% do capital social” da instituição. Ao mesmo tempo, o BPI subiu a posição de 30% para 35,67%. O BPI revela que “este reforço de participação resultou de um acordo da CGD e do BPI com a Insitec Capital”, empresa presidida por Celso Correia.

O Expresso recorda que, em 2007, a CGD e o BPI financiaram Celso Correia em 40 milhões e 20 milhões de euros, respetivamente, para a compra da participação no BCI. No entanto, o empresário, agora ministro, não chegou a liquidar a dívida e os bancos estavam a negociar a sua posição até agora.

“A Caixa Geral de Depósitos informa que passou a deter, direta e indiretamente, 61,5% do capital social do BCI”, lê-se num comunicado enviado aos mercados, “reforçando a sua anterior participação de 51% no capital social deste banco moçambicano”. “Este reforço de participação na sua filial tem origem na posição anteriormente detida pela Insitec Capital”, acrescenta.

Do lado do BPI, lê-se: “O banco BPI informa que a sua participação no BCI passou de 30% para 35,67% do capital social desse banco. Este reforço de participação resultou de um acordo da CGD e do BPI com a Insitec Capital.”

Recorde-se que o ministro moçambicano Celso Correia abandonou as funções de presidente do BCI para integrar o governo de Moçambique, liderado desde 2015 por Carlos Agostinho do Rosário.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD e BPI ficaram com 100% do banco moçambicano BCI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião