Galp e BCP dão brilho a Lisboa. EDP trava ganhos na bolsa

A bolsa de Lisboa valorizou esta terça-feira, apoiada em ganhos expressivos da Galp Energia e do BCP. EDP cai e trava ganhos no principal índice português.

A bolsa de Lisboa fechou em terreno positivo, acompanhando a tendência da maioria das praças europeias. A dar gás aos mercados estiveram os setores da energia, do retalho e da banca, num dia em que o petróleo chegou a negociar acima dos 65 dólares, mas que corrigia os ganhos desta semana à hora de fecho dos mercados bolsistas europeus.

Enquanto o Stoxx 600 subiu 0,53% para 391 pontos, o PSI-20 encerrou com um avanço de 0,65% para 5.398 pontos, suportado nos ganhos expressivos da Galp. A petrolífera portuguesa somou 1,24% na sessão, para 15,87 dólares, depois de ter sido considerada uma das top stock picks pelo banco JP Morgan Chase. A contribuir para os ganhos esteve também o BCP, com uma valorização de 0,93% para 26,09 cêntimos por cada ação.

O retalho foi outro dos setores a brilhar esta terça-feira. As ações da Jerónimo Martins valorizaram 0,74% para 16,35 euros, enquanto as da Sonae somaram mais de 2,6% para 1,101 euros. Nota para as ações da Corticeira Amorim, que entraram esta terça-feira em ex-dividend e avançaram 0,13%, com as ações a negociar nos 11,47 euros. Já a EDP travou os ganhos em Lisboa, tendo caído 0,2% para 2,94 euros.

Depois de uma manhã de ganhos em Londres para o preço do petróleo, em que o Brent chegou a negociar acima dos 65 dólares, a matéria-prima recuava 1,07% à hora de fecho da bolsa, para 64 dólares o barril. Esta semana, os preços do crude foram inflacionados por uma interrupção num oleoduto relevante no mar do Norte.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp e BCP dão brilho a Lisboa. EDP trava ganhos na bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião