Banco Mundial já não financia explorações de gás e petróleo

  • Lusa
  • 12 Dezembro 2017

Banco vai seguir o acordo de Paris e torna-se assim primeira instituição bancária multilateral a assumir um compromisso de se afastar da exploração e produção de petróleo e de gás.

O Banco Mundial vai deixar de financiar a exploração e produção de petróleo e de gás a partir de 2019, anunciou esta terça-feira a instituição durante a cimeira sobre clima promovida pelo Presidente francês.

A meta desta decisão é “alinhar pelos objetivos do Acordo de Paris” os financiamentos que disponibiliza aos Estados, explica o Banco Mundial num comunicado. Chefes de Estado e de Governo, como o primeiro-ministro português, além do secretário-geral das Nações Unidas e do presidente do Banco Mundial, participam esta quarta-feira na One Planet Summit, na capital da França, uma iniciativa do Presidente francês para assinalar os dois anos do Acordo de Paris, firmado em dezembro de 2015.

Quando cada vez mais entidades financeiras avançam a vontade de se afastarem do carvão, a forma de energia mais poluente, o Banco Mundial é a primeira instituição bancária multilateral a assumir um compromisso sobre a exploração e produção de petróleo e de gás.

No entanto, em algumas “circunstâncias excecionais”, o Banco Mundial poderá continuar a financiar projetos de gás “nos países mais pobres onde há um benefício claro em termos de acesso à energia”, e na condição que não sejam contrários aos compromissos assumidos por estes Estados no âmbito do Acordo de Paris.

Em 2016, os financiamentos do Banco Mundial à indústria petrolífera e do gás atingiram cerca de 1,6 mil milhões de dólares (cerca de 1,4 mil milhões de euros), ou seja, menos de 5% da totalidade dos financiamentos atribuídos nesse ano. A partir do próximo ano, a instituição vai publicar todos os anos as emissões de gases com efeito de estufa dos projetos que financia nos setores que mais emitem, como a energia, acrescentou.

Pretende também generalizar a contabilização de um preço interno do carbono nos seus investimentos futuros. O Acordo de Paris, que entrou em vigor em novembro de 2016, estipula a redução das emissões de gases com efeito de estufa de modo a tentar limitar a subida da temperatura média do planeta a 2º Celsius.

As alterações climáticas estão relacionadas com o aumento da frequência de fenómenos extremos de calor, chuva e frio, levando a secas ou cheias, além do aumento do nível das águas do mar. Para reduzir as emissões, alterando o paradigma económico – para uma economia circular – e apostar na adaptação às mudanças do clima são necessário investimentos muito elevados, uma questão que ainda não está esclarecida entre os países.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco Mundial já não financia explorações de gás e petróleo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião