Saíram quase 600. BPI fecha a porta a mais rescisões

  • Rita Atalaia
  • 30 Janeiro 2018

O presidente do BPI garante que o banco não planeia avançar com outro programa de rescisões de trabalhadores. Isto depois de terem saído quase 600 funcionários no ano passado.

O banco liderado por Pablo Forero garante que o BPI não tem nos seus planos avançar com outro programa de rescisões. Isto depois de terem saído quase 600 trabalhadores em 2017, quando o banco implementou um programa de redução de pessoal.

“Não há nenhum plano para fazer outro programa de saída”, afirma Pablo Forero na apresentação dos resultados referentes ao ano passado, quando passou a ser controlado em mais de 80% pelo grupo espanhol CaixaBank, na sequência de uma Oferta Pública de Aquisição (OPA). “Temos a equipa que precisamos, o número de balcões que precisamos e, portanto, estamos numa situação de tranquilidade e normalidade”, referiu ainda o presidente do BPI.

"Não há nenhum plano para fazer outro programa de saída.”

Pablo Forero

Presidente do BPI

Em 2017, o BPI contou com a saída de 594 trabalhadores, fechando o ano com 4.931 funcionários em Portugal, segundo as contas da instituição financeira. Esta redução do número de funcionários aconteceu no âmbito de um programa de redução de pessoal, através de rescisões por mútuo acordo e reformas antecipadas, que teve um custo de 78 milhões de euros. Já o número de agências diminuiu em 14.

Fonte: BPI

O BPI obteve lucros de 10,2 milhões no ano passado, o que representa uma quebra de 96,7% em relação aos 313,2 milhões de euros que tinha registado em 2016, o seu melhor resultado de sempre, num ano em que a instituição financeira ainda contou com o contributo do Banco de Fomento Angola (BFA). O resultado ficou também muito aquém das estimativas dos analistas, que antecipavam que o banco alcançasse lucros de 70,5 milhões de euros em 2017.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saíram quase 600. BPI fecha a porta a mais rescisões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião