BPI vê dividendo dos CTT a cair para 25 cêntimos em 2019

Analistas do BPI Research baixaram a avaliação do título por causa do "novo golpe" induzido pelo regulador no negócio dos CTT. E estima que o dividendo seja novamente cortado em 2019.

O BPI Research considera que os CTT CTT 1,14% sofreram um “novo golpe” com a decisão da Anacom de apertar os critérios de qualidade do serviço postal universal. Diz que o operador português vai sofrer com as alterações do quadro regulatório que estão previstas para os próximos anos. Por isso, o banco reviu em baixa o preço alvo do título e antecipa uma redução do dividendo dos 38 cêntimos para os 25 cêntimos em 2019.

Em causa está o Sentido Provável de Decisão para o triénio 2018-2020, onde o regulador obriga os CTT a cumprir 24 indicadores de qualidade de serviço, face aos atuais 11 indicadores que tem de cumprir. Já os preços do serviço postal universal deverá ser definida com base na inflação deduzida de 1,28 pontos percentuais, “tendo ainda em consideração fatores de correção para inflação e tráfego”.

Estas medidas levaram o BPI Research a baixar o preço-alvo dos CTT em 45 cêntimos, dos 4,7 euros para os 4,25 euros.

“O impacto das medidas anunciadas (revisões de preço mais baixas no correio) levou-nos a cortar a nossa avaliação em 30 cêntimos por ação. Incluímos custos não recorrentes de 54 milhões do plano de eficiência operacional anunciado, um capex de de 25 milhões e assumimos poupanças de 25 milhões nos custos fixos devido ao potencial impacto negativo das exigências dos indicadores de qualidade (-0,1 euro por ação). O resto da revisão em baixa da avaliação tem a ver com a afinação do modelo para incluir os contributos da inflação e dos impostos”, explicam Bruno Silva e Filipe Leite numa nota de análise publicada esta terça-feira.

Ainda assim, os analistas do Caixabank BPI Research mantêm a recomendação de compra sobre os CTT, que negoceiam “a níveis atrativos”. Adiantam mesmo que “a combinação de uma posição invejável em Portugal, a situação de liquidez e o momento da ação poderá desencadear um movimento de M&A” — este fim de semana foi noticiado que o operador postal estava na corrida ao Deutsche Bank Portugal.

Neste cenário, os analistas do Caixabank BPI Research estimam que o dividendo seja revisto em baixo dos 38 cêntimos que Lacerda disse que ia distribuir em 2018 para os 25 cêntimos em 2019, “refletindo a nova política de remuneração acionista, a redução do lucro e a erosão das reservas distribuíveis”.

As ações dos CTT somam esta terça-feira 1,58% para 3,562 euros.

CTT recuperam esta terça-feira

Nota: A informação apresentada tem por base a nota emitida pelo banco de investimento, não constituindo uma qualquer recomendação por parte do ECO. Para efeitos de decisão de investimento, o leitor deve procurar junto do banco de investimento a nota na íntegra e consultar o seu intermediário financeiro.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BPI vê dividendo dos CTT a cair para 25 cêntimos em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião