“CTT vão ter de investir mais no correio” por causa da Anacom, diz CaixaBI

Maiores exigências do regulador são negativas para os CTT, considera o CaixaBI. Isto porque vai obrigar o operador postal a investir mais no segmento Correio para evitar queda dos preços.

Os critérios mais ambiciosos da Anacom para a prestação do serviço postal universal vão exigir um maior investimento dos CTT CTT 2,84% no segmento de Correio, ou obrigar a empresa a realocar mais recursos a esta área de negócio, “sob pena de o não cumprimento da qualidade ter impacto na fixação de preços”, dizem os analistas do CaixaBI, que consideram que as novas exigências do regulador são negativas para o operador postal.

“Em matéria de indicadores de qualidade, numa primeira leitura salienta-se que o grau de exigência deverá ser agora maior, exigindo-se uma maior celeridade nos prazos de entrega e um maior grau de compliance com os mesmos”, nota o CaixaBI numa análise publicado esta segunda-feira.

Tal poderá significar que os CTT terão que investir mais no segmento de Correio, ou realocar mais recursos a esta área de negócio, sob pena de o não cumprimento da qualidade ter impacto na fixação dos preços a implementar em cada ano”, frisa ainda.

De acordo com o Sentido Provável de Decisão do regulador para o triénio 2018-2020, os CTT terão de cumprir 24 indicadores de qualidade de serviço, face aos atuais 11 indicadores que tem de cumprir. Já os preços do serviço postal universal deverá ser definida com base na inflação deduzida de 1,28 pontos percentuais, “tendo ainda em consideração fatores de correção para inflação e tráfego”.

Para o banco de investimento, são más notícias que vêm complicar o atual momento da cotada liderada por Francisco Lacerda, que viu o lucro cair 56% nos primeiros nove meses do ano, perante o impacto da queda da entrega de cartas e do aumento dos custos. Por causa disto, já apresentou um plano de reestruturação que vai levar à saída de 1.000 trabalhadores até 2020 e ao fecho de 22 lojas, conforme avançou o ECO em primeira mão.

"Tal poderá significar que os CTT terão que investir mais no segmento de Correio, ou realocar mais recursos a esta área de negócio, sob pena de o não cumprimento da qualidade ter impacto na fixação dos preços a implementar em cada ano.”

CaixaBI

Nota de research

As ações cedem esta segunda-feira 0,8% para 3,466 euros, depois do tombo de 9% observado na sessão da passada sexta-feira. Os analistas do Caixa BI mantiveram a recomendação de compra para o título, atribuindo-lhe um preço alvo de 4,7 euros. Ou seja, há um potencial de valorização de 35%.

Nas estimativas do banco, o tráfego postal deverá cair 7% ao ano entre 2018 e 2020, enquanto o preço subirá 1%, 2% e 2% nos respetivos anos.

Nota: A informação apresentada tem por base a nota emitida pelo banco de investimento, não constituindo uma qualquer recomendação por parte do ECO. Para efeitos de decisão de investimento, o leitor deve procurar junto do banco de investimento a nota na íntegra e consultar o seu intermediário financeiro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“CTT vão ter de investir mais no correio” por causa da Anacom, diz CaixaBI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião