Mais de 80% das casas vendem-se em menos de seis meses

O período que demora atualmente para vender casas compara com os cerca de dois a três anos que eram necessários há dois anos para concretizar um negócio, revela a APEMIP.

O setor imobiliário está ao rubro, com o aumento dos preços e do número de transações, mas também da aceleração do tempo de venda. Mais de 80% dos imóveis já levam menos de seis meses até serem vendidos.

A conclusão surge nos dados divulgados no barómetro Imobiliário da APEMIP, relativo ao mês de dezembro, permitindo atestar a forte dinâmica do mercado imobiliário. “É absolutamente fabuloso assistir a esta dinâmica, sobretudo quando comparada com aquela que existia há cerca de dois/ três anos, em que os ativos em carteira levavam até dois anos a ser transacionados”, explica o Luís Lima, Presidente da APEMIP.

Tempo médio de venda das casas

Fonte: APEMIP

Mas mais de um terço das vendas são concretizadas num ritmo ainda mais acelerado. De acordo com este barómetro da associação das imobiliárias, 37,78% das transações acontecem num período inferior a três meses. Apenas 4,44% dos imóveis necessitam de mais de 12 meses para serem vendidos, revela ainda esta estudo que tem por base um inquérito realizado junto de empresas imobiliárias e o cruzamento com dados de entidades públicas e privadas.

O levantamento da APEMIP permite concluir ainda que cerca de 55,6% das vendas realizadas foi de imóveis com preços até 175 mil euros, valores que, nas palavras do representante das imobiliárias “espelham o grosso das vendas feitas no mercado doméstico”.

Já no que diz respeito às tipologias mais vendidas, mais de metade (61%) recaiu sobre T1 e T2, seguindo-se os T3 no topo das preferências dos portugueses com 31% das transações efetuadas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais de 80% das casas vendem-se em menos de seis meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião