Trump continua a assustar mercados. Wall Street volta às quedas

Enquanto os investidores temem a guerra comercial por Trump, o presidente norte-americano continuar a incendiar as relações com os principais parceiros comerciais.

Os receios em torno de uma guerra comercial entre os Estados Unidos e os grandes parceiros continuam a fazer-se sentir em Wall Street. Donald Trump anunciou na semana passada que vai avançar com taxas agravadas sobre o aço e o alumínio importados e as bolsas norte-americanas, que até conseguiram fechar sexta-feira a recuperar ligeiramente, volta a cair no arranque desta semana. Enquanto isso, o presidente norte-americano vai incendiando as relações com os parceiros: “os nossos amigos e inimigos aproveitaram-se dos EUA por muitos anos”.

O índice de referência S&P 500 abriu a cair 0,33%, para os 2.681,92 pontos. Já o industrial Dow Jones, que tem sido o mais penalizado pela decisão de Trump, está a recuar 0,36%, para os 24.456,82 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq perde 0,34%, para os 7.234,35 pontos.

Fora dos principais índices acionistas, as negociações estabilizaram, depois de também terem registado fortes quedas na semana passada. O West Texas Intermediate (WTI), cotado em Nova Iorque, segue a valorizar 0,1% e negoceia na casa dos 61 dólares por barril. A moeda norte-americana também segue estável, com o euro a negociar nos 1,23 dólares, praticamente o mesmo valor que na semana passada.

A preocupar os investidores está o impacto que a guerra comercial lançada pelo presidente norte-americano poderá ter sobre as empresas. Donald Trump justifica a decisão com o objetivo de apoiar os produtores norte-americanos, mas, na verdade, a imposição de taxas de 25% sobre as importações de aço e de 10% sobre o alumínio importado poderá ter efeitos nefastos para as empresas do país. Na prática, produtos tão simples como latas de refrigerantes ficarão mais caros.

Donald Trump, por seu lado, mantém-se firme. Na sua conta de Twitter, esta manhã, o presidente norte-americano escreveu que o país está a “perder em quase todos os acordos comerciais” e que os “amigos e inimigos estão a aproveitar-se há muitos anos” dos Estados Unidos. “É tempo de uma mudança“, determina, acrescentando que “as tarifas sobre o alumínio e o aço só recuam se for assinado um novo e justo acordo NAFTA” (o tratado norte-americano de livre comércio, que envolve México, Canadá e Estados Unidos).

Numa altura em que os mercados ainda recuperam das quedas expressivas que registaram pelos receios em torno de uma subida de juros por parte da Reserva Federal norte-americana, este poderá ser um novo choque para as bolsas. “A história não foi generosa para os investidores durante períodos de protecionismo e tweets recentes sugerem que o presidente Trump está mais inclinado, em vez de estar a recuar, a avançar com as ameaças de lançar uma guerra comercial”, comenta Rebecca O’Keefe, da consultora Interactive Investor, citada pelo MarketWatch.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump continua a assustar mercados. Wall Street volta às quedas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião