Matteo Renzi demite-se após projeções dos resultados das eleições italianas

O líder do Partido Democrático de Itália apresentou a sua demissão após serem divulgadas as projeções dos resultados das eleições do país.

Esta segunda-feira, após as projeções dos resultados das eleições italianas que dão a vitória ao Movimento 5 Estrelas, Matteo Renzi, líder do Partido Democrático, apresentou a sua demissão, de acordo com a notícia adiantada pela agência Ansa (conteúdo em italiano). Um porta-voz de Renzi disse não ter conhecimento desta decisão.

De acordo com a Reuters (conteúdo em inglês/ acesso livre), Renzi saiu mas vinca a posição: o partido não deverá fazer qualquer pacto após as eleições com os “partidos extremistas”. Assumirá, antes, o papel de oposição ao próximo governo.

Ontem à noite, as projeções divulgadas pela RAI, cerca de uma hora antes de as urnas de voto fecharem, já davam a vitória à direita mas sem nenhum dos blocos a aproximar-se da maioria absoluta. As previsões indicavam que a coligação de direita e extrema-direita deveria alcançar entre 33,5 e 36,6% dos votos no Senado e, entre 33 e 36% na Câmara dos Deputados. As primeiras estimativas davam a vitória como partido individual ao Movimento 5 Estrelas, com entre 31 e 32% no Senado e entre 29,5 a 32,5% na Câmara.

Já a coligação de centro-esquerda, encabeçada pelo Partido Democrático, estimava-se que conseguisse entre 22,5 a 28%, e 24,5 a 27,5% no Senado e na Câmara, respetivamente.

Sem maioria absoluta de qualquer um dos blocos, nem no Senado nem no Câmara, será o Presidente da República a decidir: seguir-se-á, ou um pedido a um líder para formar governo, ou a formação de uma coligação entre a centro-esquerda com a direita ou, numa terceira opção, a constatação de que nenhuma das partes tem condições para governar.

 

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Matteo Renzi demite-se após projeções dos resultados das eleições italianas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião