Foram registados 80 novos projetos para hotéis em 2017

O ano passado foram registados 80 novos projetos de hotéis em Portugal Continental, um crescimento de 60% face a 2016. Em termos de localização, o número de municípios também aumentou.

O turismo continua em alta e, em território nacional, os turistas não se podem queixar de falta de alojamento. Relativamente ao ano passado, nasceram 44 novos hotéis, um número proporcional ao crescente aumento da procura turística. Mas, para este ano, ou no próximo, esperam-se muitos mais. É que, no ano passado, eram 80 os novos projetos de hotéis no continente.

Os dados são fornecidos pela consultora Confidencial Imobiliário que dá conta da entrada de 80 novos processos de licenciamento no país, “evidenciando um crescimento de 60% face às 50 unidades que tinham sido submetidas no ano anterior“. Essa tendência de crescimento manteve-se semelhante aos anos de 2015 e 2016, altura em que aumentou 47%. Assim, entre 2015 e 2017 nasceram 164 novos projetos de hotéis em Portugal Continental.

Um dos pontos que merece destaque é a maior dispersão geográfica, com um aumento do número de municípios onde estes projetos hoteleiros se inseriram. Em 2015 concentravam-se em 18 municípios, subindo para 24 no ano seguinte e para 39 no ano passado. Contudo, nem com esse aumento as cidades de Lisboa e Porto foram destronadas desse pódio, embora Sintra e Matosinhos tenham presenciado uma maior procura.

“A dinâmica temporal mostra que o investimento hoteleiro tem cada vez mais saído de Lisboa, dispersando-se geograficamente e dinamizando mercados menos centrais. De facto, 60% do crescimento no número de novos projetos em carteira observado em 2017 teve lugar nas regiões não metropolitanas”, refere Ricardo Guimarães, diretor da Confidencial Imobiliário.

A consultora sublinha ainda o facto de, de 2015 para 2016, esse crescimento ter sido devido ao aumento de projetos de nova construção, sendo que, de 2016 para 2017 se deveu à aposta em projetos de reabilitação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Foram registados 80 novos projetos para hotéis em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião