Este hostel é só para empreendedores e startups. E pode pagar-se com bitcoin

Em Singapura nasceu um hostel direcionado a empreendedores e startups que não tenham condições para se alojarem num hotel. A boa notícia é que pode ser pago com moedas virtuais.

Quem disse que espaços de cowork servem apenas para passar horas a trabalhar num computador? Este hostel em Singapura decidiu inovar esse conceito e criar um espaço de descanso, dedicado a empreendedores e startups, com uma particularidade: os hóspedes podem usar bitcoin e ethereum para pagar a estadia.

O Tribe Theory é um hostel diferente dos milhares de hostels espalhados pelo mundo. A inauguração oficial foi este mês, mas tudo indica que será uma ideia de sucesso. É que, neste hostel, o objetivo é tornar um habitual espaço de cowork num espaço onde empreendedores e startups podem falar e trocar ideias, enquanto descansam. Localizado em Singapura, este hostel “combina as comodidades normais de um hostel com os padrões de um hotel e o ambiente empresarial de um espaço de cowork“, escreve a CNBC (conteúdo em inglês).

Tribe Theory, Singapura – Um hostel onde empreendedores e startups podem trocar ideiasTribe Theory/Facebook

Vikram Bharati, fundador do Tribe Theory, contou à CNBC que estava à espera que o conceito atraísse uma geração de empreendedores que viaja para alguns dos maiores centros de negócios do mundo mas que, normalmente, não tem condições financeiras para se hospedarem num hotel. E o público alvo são, especialmente, empreendedores presentes nos mercados menos desenvolvidos, como é o caso do sudeste asiático. “Temos muitos empresários que estão falidos mas que têm criptomoedas, por isso estamos felizes em aceitar essa forma de pagamento“, contou.

"Temos muitos empresários que estão falidos mas que têm criptomoedas, por isso estamos felizes em aceitar essa forma de pagamento.”

Vikram Bharati

Fundador do Tribe Theory

Geralmente, um hotel em Singapura tem um custo médio de 180 dólares (145 euros) por noite, mas no Tribe Therory os preços rondam os 26 dólares (21 euros). Neste hostel, as camas são uma espécie de cápsulas, espalhadas por quartos partilhados. Como não podia deixar de ser, oferece um espaço de cowork no último andar, somado a wifi gratuito, pequeno-almoço, jornais diários oferecidos e serviço de lavandaria. E a pensar especialmente nos seus hóspedes, as paredes contemplam citações inspiradoras para estimular as mentes mais criativas.

Tribe Theory, SingapuraTribe Theory/Facebook

“O que estamos a tentar fazer é criar uma comunidade. Não só oferecer uma cápsula mais económica e acessível, mas também criar um espaço onde os hóspedes podem conhecer e trocar ideias com empreendedores de todo o mundo“, explicou Vikram. “A ideia é que alguém do Cazaquistão possa conhecer alguém de Londres e colaborarem em negócios conjuntos, algo que é realmente muito difícil em espaços de convívio ou hotéis”.

"A ideia é que alguém do Cazaquistão possa conhecer alguém de Londres e colaborarem em negócios conjuntos, algo que é realmente muito difícil em espaços de convívio ou hotéis.”

Vikram Bharati

Fundador do Tribe Theory

Como nasceu a ideia

Vikram explica que a ideia nasceu de uma viagem por 50 países e da sua experiência anterior na área de investimentos na empresa REAPRA. Juntamente com a esposa e com o apoio da REAPRA, o fundador demorou apenas três meses para criar o conceito e lançá-lo, gastando apenas 45 mil dólares (36,4 mil euros) para renovar o edifício onde se localiza o hostel. “Nós construímos tudo à mão”, revela.

Até ao final de 2019, o empreendedor pretende inaugurar mais quatro espaços semelhantes nos principais centros de negócios: Hong Kong, Tóquio, Berlim e Estónia. Mas a ideia passa também por posicionar-se em dez cidades de dez países diferentes. “Vamos ver como corre, mas gostávamos de levar a ideia às principais cidades do mundo”, conta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Este hostel é só para empreendedores e startups. E pode pagar-se com bitcoin

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião