Este hostel é só para empreendedores e startups. E pode pagar-se com bitcoin

Em Singapura nasceu um hostel direcionado a empreendedores e startups que não tenham condições para se alojarem num hotel. A boa notícia é que pode ser pago com moedas virtuais.

Quem disse que espaços de cowork servem apenas para passar horas a trabalhar num computador? Este hostel em Singapura decidiu inovar esse conceito e criar um espaço de descanso, dedicado a empreendedores e startups, com uma particularidade: os hóspedes podem usar bitcoin e ethereum para pagar a estadia.

O Tribe Theory é um hostel diferente dos milhares de hostels espalhados pelo mundo. A inauguração oficial foi este mês, mas tudo indica que será uma ideia de sucesso. É que, neste hostel, o objetivo é tornar um habitual espaço de cowork num espaço onde empreendedores e startups podem falar e trocar ideias, enquanto descansam. Localizado em Singapura, este hostel “combina as comodidades normais de um hostel com os padrões de um hotel e o ambiente empresarial de um espaço de cowork“, escreve a CNBC (conteúdo em inglês).

Tribe Theory, Singapura – Um hostel onde empreendedores e startups podem trocar ideiasTribe Theory/Facebook

Vikram Bharati, fundador do Tribe Theory, contou à CNBC que estava à espera que o conceito atraísse uma geração de empreendedores que viaja para alguns dos maiores centros de negócios do mundo mas que, normalmente, não tem condições financeiras para se hospedarem num hotel. E o público alvo são, especialmente, empreendedores presentes nos mercados menos desenvolvidos, como é o caso do sudeste asiático. “Temos muitos empresários que estão falidos mas que têm criptomoedas, por isso estamos felizes em aceitar essa forma de pagamento“, contou.

"Temos muitos empresários que estão falidos mas que têm criptomoedas, por isso estamos felizes em aceitar essa forma de pagamento.”

Vikram Bharati

Fundador do Tribe Theory

Geralmente, um hotel em Singapura tem um custo médio de 180 dólares (145 euros) por noite, mas no Tribe Therory os preços rondam os 26 dólares (21 euros). Neste hostel, as camas são uma espécie de cápsulas, espalhadas por quartos partilhados. Como não podia deixar de ser, oferece um espaço de cowork no último andar, somado a wifi gratuito, pequeno-almoço, jornais diários oferecidos e serviço de lavandaria. E a pensar especialmente nos seus hóspedes, as paredes contemplam citações inspiradoras para estimular as mentes mais criativas.

Tribe Theory, SingapuraTribe Theory/Facebook

“O que estamos a tentar fazer é criar uma comunidade. Não só oferecer uma cápsula mais económica e acessível, mas também criar um espaço onde os hóspedes podem conhecer e trocar ideias com empreendedores de todo o mundo“, explicou Vikram. “A ideia é que alguém do Cazaquistão possa conhecer alguém de Londres e colaborarem em negócios conjuntos, algo que é realmente muito difícil em espaços de convívio ou hotéis”.

"A ideia é que alguém do Cazaquistão possa conhecer alguém de Londres e colaborarem em negócios conjuntos, algo que é realmente muito difícil em espaços de convívio ou hotéis.”

Vikram Bharati

Fundador do Tribe Theory

Como nasceu a ideia

Vikram explica que a ideia nasceu de uma viagem por 50 países e da sua experiência anterior na área de investimentos na empresa REAPRA. Juntamente com a esposa e com o apoio da REAPRA, o fundador demorou apenas três meses para criar o conceito e lançá-lo, gastando apenas 45 mil dólares (36,4 mil euros) para renovar o edifício onde se localiza o hostel. “Nós construímos tudo à mão”, revela.

Até ao final de 2019, o empreendedor pretende inaugurar mais quatro espaços semelhantes nos principais centros de negócios: Hong Kong, Tóquio, Berlim e Estónia. Mas a ideia passa também por posicionar-se em dez cidades de dez países diferentes. “Vamos ver como corre, mas gostávamos de levar a ideia às principais cidades do mundo”, conta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Este hostel é só para empreendedores e startups. E pode pagar-se com bitcoin

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião