Este espaço de cowork é exclusivo para mulheres. E tem lista de espera de 8.000 interessadas

Em Nova Iorque há dois espaços de cowork destinados exclusivamente a mulheres. Desde salas de amamentação a casas de banho com salões de beleza, este espaço é desejado por mais de oito mil candidatas.

Nova Iorque tem dois novos espaços construídos exclusivamente a pensar nas empreendedoras. São zonas de cowork, com entrada vedada aos homens, e com uma lista de espera de cerca de oito mil interessadas. Avaliado em mais de 42 milhões de dólares, o The Wing requer uma anualidade superior aos dois mil dólares e planeia inaugurar outros dois espaços.

Funciona como uma espécie de clube, mas só para mulheres, adianta o Business Insider (conteúdo em inglês). Foi idealizado por Audrey Gelman e Lauren Kassan, por sentirem que precisavam de um espaço privado e acolhedor para as horas que passavam a trabalhar, mas também para as inúmeras vezes em que precisavam de trocar de roupa para as reuniões. Nessa altura, não tinham alternativa senão usar casas de banho públicas.

A ideia surgiu na altura da candidatura de Hillary Clinton à presidência dos Estados Unidos, em 2016. As fundadoras acreditavam que a candidata venceria: “Esta seria a idade de ouro para as mulheres no poder. Assim, elas poderiam ter quartos como este”, disse Audrey ao Business Insider. Mas, como sabemos, isso não aconteceu. No entanto, mal elas sabiam que a vitória de Donald Trump lhes traria uma visibilidade inesperada e uma lista de espera na casa dos milhares.

Atualmente, o clube tem dois espaços abertos na cidade de Nova Iorque e cerca de 1.500 membros inscritos. Mas, a lista de espera ronda as oito mil interessadas, daí a The Wing estar a planear inaugurar mais dois espaços em território norte-americano: Brooklyn e Washington DC. Quanto às candidaturas aceites, as fundadoras explicam que preferem uma multiculturalidade: “As candidaturas são aceites em termos de diversidade: diversidade de carreira, raça e etnia, diversidade de idade e diversidade de horários para garantir que não estejam todas à mesma hora“, disse Kassan.

Recentemente, arrecadou um investimento de 32 milhões de dólares (38,5 milhões de euros) através de um financiamento por parte da WeWork. Com isto, o clube está atualmente avaliado em 42 milhões de dólares (50,6 milhões de euros), de acordo com a revista Forbes.

O que tem o espaço de especial?

O espaço, com dez mil metros quadrados, tem um toque feminino, onde as casas de banho funcionam como salões de beleza. Há uma sala de repouso, onde os membros podem descansar e uma sala onde as mães podem amamentar os seus bebés. Para além disso, há ainda duas salas de reuniões que podem ser alugadas pelos membros, cabines telefónicas privadas, uma biblioteca constituída maioritariamente por autores femininos e uma zona de café/bar.

Mas, como qualquer espaço de cowork tem um preço, este não é diferente. Os preços da The Wing variam conforme o acesso às divisões: para usufruir de apenas uma divisão, a anualidade fixa-se nos 2.350 dólares (1.951 euros), o que corresponde a 215 dólares (178,5 euros) por mês. Se optar por ter acesso a todas as divisões do espaço, a anualidade sobe para os 2.700 dólares (2.242 euros), uma mensalidade de 250 dólares (207,6 euros). O clube oferece ainda eventos, oportunidades de voluntariado comunitário e sessões de cinema.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Este espaço de cowork é exclusivo para mulheres. E tem lista de espera de 8.000 interessadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião