Lisboa tem um novo espaço de cowork premium

  • Juliana Nogueira Santos
  • 21 Maio 2017

O novo espaço da Ávila Spaces é dirigido a clientes corporativos, que podem encontrar um espaço de trabalho mais flexível e próximo do centro financeiro da cidade.

O espaço lounge é o principal diferenciador deste novo escritório.Ávila Spaces

A Avenida da República, na zona do Saldanha, recebe o novo espaço de cowork da cidade de Lisboa. A Ávila Spaces abre o seu terceiro espaço e foca-se na personalização e no fator mais descontraído dos negócios, estreando um espaço lounge nestes escritórios.

Com 35 secretárias disponíveis em regime de cowork e 50 lugares no espaço de lounge, esta nova aposta da empresa de escritórios está dirigido para clientes corporativos, que podem encontrar ali um espaço de trabalho mais flexível e próximo do centro financeiro da cidade. Como explica ao ECO Carlos Gonçalves, CEO do Ávila Spaces, “este é um cowork mais corporativo, com empresas que já estão ou em fase de crescimento, ou já consolidadas no mercado.”

E porquê apostar num lounge? “Era muito importante termos um espaço comum amplo. Tínhamos um business lounge muito pequeno e havia muitos clientes, nomeadamente os de escritório virtual, que procuravam locais onde pudessem trabalhar de uma forma descontraída durante um dia, ou durante uma manhã”, garante Carlos Gonçalves.

Os trabalhadores também têm à disposição um terraço para reuniões informais, cafés de negócios ou só para relaxar. Esta solução foi pensada em conjunto com o departamento de investigação e desenvolvimento da empresa, tendo em conta esta nova geração de empresários. “O departamento procura sempre as boas práticas internacionais e procuramos implementar estas práticas não só ao nível dos modelos de trabalho, mas também ao nível da ergonomia”, explica o CEO da empresa.

Com planos que começam nos 15 euros diários, em situação nómada, e culminam nos 250 euros mensais, em situação “free pass”, com acesso 24 horas ao espaço e 8 horas de sala de reuniões, os utilizadores poderão ter acesso a comodidades tão diversas como biblioteca, serviço de secretariado, phone booths para mais privacidade, estacionamento o prédio e utilização da aplicação exclusiva “My Office”.

A aplicação “My Office” permite ao trabalhador estar em contacto permanente com o escritório.Ávila Spaces

Esta plataforma, convertida em aplicação para dispositivos móveis, permite ao trabalhador receber notificações em tempo real sobre contactos telefónicos e correspondência recebida, reservar salas de reunião e aceder a qualquer espaço que pertença à rede internacional da Ávila Spaces. “Onde quer que esteja está em contacto com o seu escritório”, confirma Carlos Gonçalves.

O espaço, que já conta com uma ocupação de 50%, foi equipado com peças especialmente desenvolvidas para o propósito, sendo que todas as soluções são personalizáveis. “Não é tanto o cliente a adaptar-se à nossa forma de funcionamento, somos nós que estamos sempre disponíveis para nos adaptarmos àquilo que o cliente necessita”, remata Carlos Gonçalves.

Conheça melhor o espaço através da galeria abaixo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa tem um novo espaço de cowork premium

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião