Precários do Estado vão recorrer ao tribunal se foram excluídos dos concursos públicos

  • ECO
  • 7 Março 2018

Os sindicatos da administração pública acreditam que os trabalhadores deverão avançar para tribunal caso os requerimentos remetidos às CAB sejam recusados.

Entre os quase 32 mil requerimentos de trabalhadores precários da administração pública que foram remetidos às Comissões de Avaliação Bipartida (CAB), há vários que estão a receber parecer negativo por parte dessas entidades. Ainda que a palavra final seja do Governo, os dirigentes sindicais acreditam que aqueles trabalhadores que forem excluídos vão avançar com processos judiciais.

José Abraão, da Fesap, estima que o número de requerimentos a serem deferidos para entrar nos concursos públicos deverá ultrapassar ligeiramente os 25 mil. Quanto aos restantes, as comissões em causa alegam que “esses vínculos são adequados e que a sua função não corresponde a uma necessidade permanente“, escreve o Diário de Notícias. Há a tentação de alguns serviços de dizerem que o vínculo é adequado, mas estes casos vão acabar em tribunal”, adverte José Abraão.

Os sindicatos da função pública chegam mesmo a dar exemplos de situações que têm acontecido na Saúde, na Educação, no Trabalho, etc.. “Estamos a falar de bolseiros, alguns com quase 20 anos de serviço, que começaram por ter um contrato, depois uma bolsa, mais tarde um contrato de prestação de serviços, a seguir nova bolsa e sobre os quais se diz agora que o vínculo é adequado“, explica Helena Rodrigues, do STE. Após verem os seus requerimentos recusados, os trabalhadores têm dez dias para contestar essa decisão.

No entanto, e ainda que a palavra final seja do Governo, José Abraão acredita que alguns dos trabalhadores que sejam excluídos vão avançar para tribunal mesmo antes de o Governo se manifestar. Ana Avoila, da Frente Comum, não duvida do sucesso destes processos judiciais: “Os que estão em regime de outsourcing, como os dos programas comunitários, se forem para tribunal, ganham”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Precários do Estado vão recorrer ao tribunal se foram excluídos dos concursos públicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião