Trump explicou taxas sobre importações. E Wall Street acalmou

O México e o Canadá estarão isentos das taxas sobre aço e alumínio importados e a Casa Branca abre a porta a negociar com mais países, uma decisão que animou os investidores.

A Casa Branca apresentou, esta quinta-feira, os detalhes relativos às taxas sobre produtos importados que os Estados Unidos vão começar a aplicar já daqui a duas semanas. As explicações acalmaram os investidores e as bolsas norte-americanas voltaram a fechar em alta, com o tecnológico Nasdaq a somar já a quinta sessão de ganhos.

O índice de referência S&P 500 fechou a subir 0,45%, para os 2.738,97 pontos, enquanto o industrial Dow Jones encerrou a subir 0,38%, para os 24.895,21 pontos. Já o tecnológico Nasdaq sobe há cinco sessões consecutivas e valorizou 0,42%, para os 7.427,95 pontos.

Esta movimentação acontece depois de a administração de Donald Trump ter informado o país sobre o plano para taxar os produtos importados. Tal como o presidente já tinha anunciado, as taxas serão de 25% sobre o aço e de 10% sobre o alumínio, mas o Canadá e o México, grandes parceiros comerciais dos Estados Unidos, estarão isentos destas taxas, numa altura em que os norte-americanos procuram renegociar o NAFTA (acordo de comércio livre que envolve estes três países).

Por outro lado, a porta está aberta a alterações das taxas também para outros países, como a Austrália, “um parceiro de longa data”, como Trump lhe chamou. As taxas entram em vigor daqui a duas semanas e têm como objetivo proteger os produtores norte-americanos.

As exceções para o Canadá e o México e a abertura a mais negociações com outros países descansaram os investidores. Também o dólar valorizou, à volta de 0,8%, com o euro a negociar agora nos 1,23 dólares, menos um cêntimo do que na abertura desta sessão.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump explicou taxas sobre importações. E Wall Street acalmou

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião