Trump ataca aço. UE responde e ameaça com taxas sobre manteiga de amendoim e jeans

Comissária europeia do Comércio anunciou que está a ser preparada lista de itens norte-americanos que poderão vir a ser sujeitos a taxas aduaneiras mais altas, em resposta às ameaças de Donald Trump.

Donald Trump ameaçou aumentar as taxas aduaneiras sobre o aço e o alumínio impostas à União Europeia e o bloco não se deixou ficar calado. Esta quarta-feira, a comissária europeia do Comércio garantiu que está a ser preparada uma lista provisória de itens norte-americanos sobre os quais poderão ser aumentados os impostos. Manteiga de amendoim, jeans, milho, sumo de laranja e bourbon, bem como aço e alumínio são alguns dos produtos que podem passar, assim, a ser sujeitos a taxas mais pesadas.

“Na lista constam produtos de aço, industriais e agrícolas”, explicou Cecilia Malmström, numa conferência sobre a resposta do bloco à posição protecionista de Donald Trump. De acordo com Bruxelas, essa lista está a ser agora discutida com os Estados-membros e será em breve tornada pública. Depois da sua divulgação, as indústrias terão tempo para responder, deixando-se em aberto a possibilidade de as tarifas serem posteriormente adaptadas.

Neste mesmo sentido, a União Europeia está também a preparar medidas para evitar que o seu mercado seja vítima de “uma inundação” de aço e alumínio, na sequência da imposição de restrições à importação destes produtos por parte dos Estados Unidos. Esta quarta-feira, a mesma comissária disse, por isso, ter dúvidas sobre a justificação para a imposição de tarifas aduaneiras e revelou que está a ser coordenada com outros parceiros a resposta na Organização Mundial de Comércio.

“Responderemos de forma proporcional e equilibrada”, sublinhou Cecilia Malmström face às declarações do líder norte-americano. Esta terça-feira, Trump defendeu que a União Europeia não “tratou bem” os Estados Unidos, no que diz respeito às relações comerciais entre estas duas potências.

“É praticamente impossível fazermos negócio com eles [UE]. No entanto, eles conseguem enviar viaturas e tudo o resto para os Estados Unidos”, fez questão de notar o empresário nova-iorquino, citado pela AFP. Neste ponto, a comissária europeia do Comércio respondeu ao líder americano, referindo que, todos os anos, são produzidos dois milhões de carros nos EUA por empresas europeias, o que garante trabalhos e receitas à sua economia.

Aço é um dos metais que Trump quer incluir ver sujeitos a mais taxas aduaneiras.Pixabay

Não há vencedores numa guerra comercial

“Entre a UE e os EUA não há tarifas muito elevadas”, enfatizou a comissária, que confessou ter esperança que o bloco não seja incluído neste agravamento das restrições à importação, uma vez que, nesse caso, as relações transatlânticas seriam danificadas.

Malmström assinalou, por outro lado, que o problema em causa tem origem no excesso de produção destes metais. “Podemos trabalhar com os nossos amigos americanos e com outros aliados no núcleo duro deste problema, a sobreprodução”, defendeu.

Cecilia Malmström lembrou, por fim, que estas medidas foram uma promessa eleitoral de Donald Trump. Ainda assim, a comissária deixou claro que espera que não avancem, até porque “uma guerra comercial não tem vencedores”. Mais, a responsável sublinhou que, no caso das propostas serem concretizadas, o bloco terá de preparar medidas para proteger os postos de trabalhos europeus.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump ataca aço. UE responde e ameaça com taxas sobre manteiga de amendoim e jeans

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião