Há 100 mil dólares para empreendedores com soluções na área dos seguros

Nova-iorquina MetLife acaba de abrir competição por um contrato de 100 mil dólares e por um lugar numa plataforma de inovação que ajuda os empreendedores a escalar as suas ideias.

A corrida está oficialmente aberta. As startups focadas em soluções na área dos seguros — da fidelização dos clientes às vendas — podem, a partir desta segunda-feira (e até 20 de abril), concorrer ao contrato de 100 mil dólares (81 mil euros) que a nova-iorquina MetLife está a oferecer.

Em jogo está também o apoio dos profissionais dessa gigante no desenvolvimento dos negócios dos participantes. De facto, apenas oito finalistas receberão essa orientação, no seio da nova plataforma da gigante: o colab 3.0 EMEA.

Este programa criado pelo centro de inovação da empresa na Ásia (o LumenLab) segue o modelo de duas outras experiências semelhantes realizadas em Singapura, em 2016, e no Japão, em 2017. Nessas ocasiões, mais de 250 pequenas empresas de 35 países participaram.

“Levamos muito a sério a transformação do setor dos seguros e a forma como interagimos com os nossos clientes — mas sabemos que não podemos fazê-lo sozinhos”, começa por explicar, em comunicado, o líder executivo do LumenLab. Segundo Zia Zaman, a MetLife quer fortalecer o ecossistema, já que “nunca se pode inovar de forma mais rápida que o mercado”.

Com este programa, a nova-iorquina pretende, assim, ajudar os empreendedores a escalar as suas ideias enquanto utiliza as suas contribuições para resolver os desafios de inovação que se têm colocado nas suas operações na Europa, Médio Oriente e África.

“A MetLife continua a estar na vanguarda da inovação e o collab 3.0 EMEA é um excelente exemplo disso”, sublinha o presidente da empresa para as regiões dos EUA e da Europa, Médio Oriente e África. Neste sentido, Michel Khalaf refere que a gigante está a combinar desafios reais com ideias externas de modo a “criar melhores soluções”.

Os oito selecionados apresentarão os seus projetos, nos dias 11 e 12 de julho, em Londres. Nessa data, será anunciado um vencedor final.

Até à data, a nova-iorquina Metlife ofereceu 0,5 milhões de dólares em contratos, nas duas experiências passadas do programa. Segundo a empresa, esses projetos estão atualmente a oferecer valor tanto à gigante como à experiência do próprio cliente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 100 mil dólares para empreendedores com soluções na área dos seguros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião