Passa recibos verdes? Há novidades nos pagamentos à Segurança Social através do multibanco

  • Lusa
  • 12 Março 2018

Os trabalhadores independentes já não precisam de indicar o número de dias de trabalho, e podem ver no momento o cálculo dos juros de mora para o pagamento de contribuições.

A Segurança Social disponibilizou este mês novas funcionalidades para os trabalhadores independentes e do serviço doméstico pagarem as contribuições por multibanco, passando a estar disponível o valor dos juros de mora para pagamentos em atraso, foi hoje anunciado.

De acordo com um comunicado do Instituto da Segurança Social (ISS), desde o início do mês estão disponíveis novas opções e funcionalidades para pagamento das contribuições através do Multibanco para os trabalhadores independentes, do serviço doméstico, beneficiários do seguro social voluntário e produtores agrícolas dos Açores.

No caso dos trabalhadores independentes, beneficiários do seguro social voluntário e produtores agrícolas dos Açores, deixa de ser necessário indicar o número de dias de trabalho e passa a ser apresentado o valor dos juros de mora (calculados no momento) para o pagamento de contribuições em atraso. Em alternativa, podem consultar os valores em dívida e efetuar o pagamento através da internet, na Segurança Social Direta.

Já para os trabalhadores de serviço doméstico, passa a estar disponível o pagamento das contribuições dos trabalhadores que descontam com base na remuneração real, sendo que nesta situação terá de ser indicado o valor real auferido.

Os trabalhadores do serviço doméstico passam ainda a poder indicar o Número de Identificação da Segurança Social (NISS) do empregador, ficando igualmente disponível o valor dos juros de mora para pagamento de contribuições em atraso.

Caso não seja possível efetuar o pagamento através do multibanco, os trabalhadores de serviço doméstico podem efetuá-lo nas tesourarias da Segurança Social.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passa recibos verdes? Há novidades nos pagamentos à Segurança Social através do multibanco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião