Dropbox prestes a entrar em Wall Street. Espera arrecadar 648 milhões de dólares com IPO

A plataforma de armazenamento de dados espera arrecadar 648 milhões de dólares com a sua estreia em Wall Street. Planeia vender 36 milhões de ações, entre 16 a 18 dólares cada uma.

A Dropbox solicitou oficialmente a sua entrada em bolsa. Num documento enviado ao regulador do mercado de capitais dos EUA, a SEC, a empresa de armazenamento de dados na núvem espera arrecadar 648 milhões de dólares com a Oferta Pública Inicial (IPO, na sigla inglesa).

Para esta estreia na bolsa norte-americana, a Dropbox espera vender 36 milhões de ações, entre 16 a 18 dólares cada uma, escreve o The New York Times (conteúdo em inglês). Assim, caso a IPO ocorra dentro do previsto, a empresa passará a valer 7,5 mil milhões de dólares (6,1 mil milhões de euros), um valor abaixo do registado em 2014 (dez mil milhões) mas que, segundo alguns especialistas, já estava desatualizado.

No mesmo relatório enviado pela empresa, foi anunciada a criação de uma parceria com a Salesforce Ventures, na qual esta concordou em comprar 5,8 milhões de títulos de ações da Dropbox, por um total de 100 milhões de dólares. Considerada uma das entradas mais importantes em Wall Street desde a estreia do Snapchat, este IPO já conta com 12 bancos como principais investidores, entre os quais o Goldman Sachs e o JPMorgan.

De acordo com o jornal norte-americano, está previsto que a Dropbox comece a negociar na plataforma de valores tecnológicos Nasdaq — sob o símbolo “DBX” –, no final da próxima semana.

A plataforma de armazenamento de dados em nuvem foi criada em 2007 e hoje conta com cerca de 500 milhões de utilizadores, no entanto, a maioria não paga pelos serviços. A versão premium conta apenas com 11 milhões de utilizadores, um número que a empresa espera aumentar através de campanhas de marketing. Os prejuízos têm vindo a diminuir ano após ano, tendo perdido 111,7 milhões de dólares o ano passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dropbox prestes a entrar em Wall Street. Espera arrecadar 648 milhões de dólares com IPO

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião