Bom ano para os negócios da Sonae, mas os lucros caíram. Dividendo vai aumentar 5%

A empresa liderada por Ângelo Paupério e Paulo Azevedo registou um crescimento das vendas de 7,1% para 5.710 milhões de euros. Os lucros caíram, mas por não haver ganhos extraordinários como em 2016.

A Sonae fechou o ano de 2017 com um resultado líquido de 166 milhões de euros, uma queda de 22,9% face ao ano passado, segundo o comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A penalizar o lucro da Sonae está a mais -valia de 53 milhões de euros registada o ano passado resultante do ganhos de capital obtidos nas operações de sale and leaseback. Excluindo os ganhos de capital não recorrentes, o resultado líquido teria crescido 6,5%.

O EBITDA subjacente atingiu os 336 milhões de euros, crescendo 6,9%. Já o EBITDA totalizou os 396 milhões de euros, uma descida de 3,1%. Com a margem do EBITDA a diminuir 0,7 pontos percentuais para os 6,9% e o resultado direto a cair 11,2% para os 132 milhões de euros. Mais uma vez são os ganhos não recorrentes obtidos durante o ano de 2016 penalizam estes números. O volume de negócios do grupo aumentou 7,1% para os 5.710 milhões de euros, com todos os negócios a crescerem.

“A forte performance operacional dos negócios em 2017 contribuiu positivamente para os indicadores de rentabilidade da Sonae. No entanto, durante o ano passado, tinha sido registado um impacto positivo líquido de 53 milhões de euros na rubrica de itens não recorrentes, beneficiando sobretudo, dos ganhos de capital obtidos nas operações de sale and leaseback concluídas, o que prejudica a comparabilidade dos períodos”, adianta a Sonae.

Ângelo Paupério, por seu turno, afirma: “2017 foi um ano bom para os negócios da Sonae que continuaram a crescer a bom ritmo e progrediram significativamente no desenvolvimento estratégico”.

O co-CEO da Sonae diz ainda que “também a nível global evoluímos na construção de um portfólio de negócios mais autónomos, focados e flexíveis, preparados para atuar no mercado com elevado padrões de governação corporativa, nomeadamente como empresas cotadas ou integrando parcerias estratégicas”.

Lucro cai, dividendo aumenta

O lucro da Sonae caiu, mas a empresa pretende dar mais dinheiro aos acionistas. “Considerando o resultado líquido obtido de 2017 e, de acordo
com a política de dividendos da Sociedade, o Conselho de Administração irá propor em Assembleia Geral de Acionistas o pagamento de um dividendo bruto de 0,042 euros”, refere o documento enviado à CMVM.

Este dividendo de 4,2 cêntimos por ação corresponde a um aumento de 5% face à remuneração distribuído no ano anterior. “Este dividendo
corresponde a um dividend yield de 3,7% relativamente à cotação de fecho do dia 31 de dezembro de 2017 (que se fixou em €1,126), e a um payout ratio de 64% face ao resultado direto atribuível aos acionistas da Sonae”, nota a empresa.

Dívida encolhe 100, investimento chega aos 300 milhões

Em termos de dívida, a Sonae, a exemplo dos anos anteriores, voltou a registar uma redução. A dívida líquida da Sonae caiu 103 milhões de euros para os 1.112 milhões de euros no final de 2017. A empresa indica que continua “a apresentar uma estrutura de capital robusta, otimizando os custos de financiamento e, ao mesmo tempo, mantendo reservas de liquidez e um perfil longo de maturidade da dívida”.

Em paralelo, a Sonae investiu 316 milhões de euros em 2017, um valor que representa cerca de 5,5% do volume de negócios do grupo. Este investimento foi canalizado para a abertura de novas unidades, lançamento e desenvolvimento de novos negócios e reforço da internacionalização, tendo atingido 164 milhões de euros na Sonae MC, 45 milhões na Worten, 40 milhões na Sonae Sports & Fashion, 41 milhões na Sonae RP e 19 milhões na Sonae IM.

A Sonae fechou o ano com mais de 45 mil colaboradores, tendo em 2017 criado mais de 1700 postos de trabalho. A Sonae justifica a criação de emprego “com o crescimento das várias áreas de negócios da Sonae, que expandiram as suas atividades em Portugal e a nível internacional”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bom ano para os negócios da Sonae, mas os lucros caíram. Dividendo vai aumentar 5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião