Google já tem um carrinho para fazer frente à Amazon

  • Ana Batalha Oliveira
  • 26 Março 2018

Numa altura em que a Amazon tem apostado em novas soluções para o retalho, a Google não quer ficar no fim da fila, e lança agora um programa para acelerar nas compras online.

As gigantes do retalho não param de inovar. Primeiro foi a Amazon que criou as primeiras lojas físicas, a cadeia de lojas Amazon Go, que permite aos clientes comprar se passar por nenhuma caixa registadora. A Google não quer ficar para trás e criou um novo programa o Shopping Actions, já ativo nos EUA. Os utilizadores vão poder juntar no mesmo carrinho compras de vários sites, e até encomendá-las por voz.

A Google só teve de olhar para os números: 85% das pesquisas, nos últimos dois anos, perguntam “onde comprar”. Quase metade das pessoas que usam o assistente de voz aproveitam para fazer compras através dele, pelo menos uma vez por semana. Por isso, conclui a Google no blog oficial, as pessoas querem “uma forma mais fácil de fazer as compras”, razão pela qual a empresa lança esta nova ferramenta.

As novidades são três: o assistente de voz da Google vai estar preparado para as compras por voz. Os clientes terão uma “lista partilhada” e um “carrinho universal” com a qual podem passear pelos mais diversos websites e pagar tudo de uma vez só. No final, a Google promete “mais lealdade e envolvimento com os clientes de maior valor”, estimular a repetição de encomendas pondo-as à distância de um clique e com recomendações personalizadas.

Desta forma, a Google pretende apelar às empresas, e avisa: “só pagam por cada venda efetuada”. O motor de busca garante ainda que os testes foram positivos e o programa compensa em comparação com os simples anúncios.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google já tem um carrinho para fazer frente à Amazon

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião