Recapitalização da CGD eleva défice de 2017 para 3%

INE publicou hoje nova informação sobre contas públicas. Tese do Eurostat vingou e défice de 2017 inclui a totalidade da operação, que vale 2% do PIB. Governo tem desvalorizado este impacto.

Portugal envia esta segunda-feira para o Eurostat uma nova previsão para o défice de 2017 que já tem em conta a decisão final sobre a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD). Os 3.944 milhões de euros que foram injetados no banco público serão totalmente refletidos no défice do ano passado, elevando-o para 3% do PIB, tal como o ECO adiantou.

A recapitalização da Caixa foi concluída pelo Ministério das Finanças há um ano, mas o seu impacto nas contas públicas ainda não é conhecido. O Instituto Nacional de Estatística (INE) e o Eurostat mantiveram, entretanto, conversações sobre a forma de registar a operação.

A decisão foi conhecida esta segunda-feira, por volta das 11 horas, quando o INE publicou o reporte do Procedimento dos Défices Excessivos que envia para o Eurostat.

No documento consta um défice mais alto do que os 1,5% anunciados em setembro de 2017 para a totalidade do ano, atingindo o dobro do previsto na altura. A injeção na CGD corresponde a cerca de 2% do PIB.

“O valor total da recapitalização da CGD realizada no 1º trimestre de 2017 atingiu 4.444 milhões de euros, dos
quais 3.944 milhões de euros (2% do PIB) foram suportados pelo Estado Português”, escreve o INE.

Apesar de pisar de novo a marca fixada pelas regras europeias, o Governo tem defendido que o que conta para a avaliação do desempenho orçamental de Portugal é o défice excluído o efeito da Caixa.

Em março do ano passado, quando Bruxelas aprovou a injeção de capital do banco liderado por Paulo Macedo, o primeiro-ministro argumentou que, um ano antes, a Comissão Europeia tinha transmitido que as despesas com reforço do sistema financeiro não seriam consideradas para efeitos de apreciação do Procedimento dos Défices Excessivos.

De qualquer forma, António Costa defendeu que o critério “normal seria distribuir o esforço de acordo com os anos a que respeitam as imparidades”. Contudo, na decisão final que hoje será tornada pública, vingou a leitura do Eurostat.

Em setembro último, o Negócios avançou que a posição preliminar do Eurostat apontava para um registo integral dos 3.944 milhões de euros no défice.

A decisão final chega já depois da melhoria dos ratings da dívida da República por parte das agências, ou seja, quando o mercado já começou a incorporar a ideia de que Portugal está no bom caminho em matéria orçamental. Mas há mais decisões a caminho e este é mais um dado relevante para quem está a decidir.

O chefe do Governo tem tentado transmitir a ideia de que o défice está em franca descida. Desde a reta final do ano passado, António Costa tem anunciado revisões do défice para 2017, sempre que os cálculos apontam para uma nova baixa mesmo que apenas por uma décima. A 15 de março, o chefe do Executivo revelou que o défice do ano passado terá ficado “perto de 1,1%. Contas que batem certo com, por exemplo, as do Fundo Monetário Internacional. Este cálculo não conta com a recapitalização da CGD e alimenta a possibilidade de que, mesmo com a Caixa, o défice final não passa a marca dos 3%.

(Notícia atualizada com informação entretanto publicada pelo INE)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Recapitalização da CGD eleva défice de 2017 para 3%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião