Portugal chama embaixador português em Moscovo

  • ECO e Lusa
  • 27 Março 2018

Portugal decidiu não expulsar nenhum diplomata russo, mas Santos Silva admite que a posição portuguesa pode mudar, "como a de todos" os restantes países.

Portugal acompanha o movimento internacional de condenação à Rússia pelo envenenamento do ex-espião russo no Reino Unido. Depois de 27 países em todo o mundo terem ordenado a expulsão de mais de 140 diplomatas russos, Portugal decidiu chamar o embaixador português em Moscovo, Paulo Vizeu Pinheiro, para “consultas”.

“Tomámos boa nota e em consideração decisões que os países mais próximos, amigos e aliados, foram tomando e decidimos hoje chamar o embaixador português em Moscovo para consultas”, anunciou o ministro dos Negócios Estrangeiros, em entrevista à RTP esta terça-feira.

Tomámos boa nota e em consideração decisões que os países mais próximos, amigos e aliados, foram tomando e decidimos hoje chamar o embaixador português em Moscovo para consultas.

Augusto Santos Silva

Ministro dos Negócios Estrangeiros

Augusto Santos Silva reiterou que Portugal decidiu não expulsar nenhum diplomata russo, mas admitiu que a posição portuguesa pode mudar “como a de todos” os restantes países.

A opção nacional prende-se com o uso “da prudência” no plano bilateral de forma a “defender os interesses nacionais”, justificou Santos Silva, acrescentando que a “lógica de não-confrontação há muito que caracteriza a política externa” portuguesa.

Santos Silva alertou ainda que “este é um processo que ainda está provavelmente no seu início” e que “é preciso evitar qualquer lógica de escalada”. “Como o secretário-geral da NATO hoje disse, é preciso mostrar firmeza perante a Rússia, mas ao mesmo tempo manter diálogo político com a Rússia. Essa é orientação de Portugal”, acrescentou.

A NATO esta terça-feira decretou a expulsão de sete diplomatas russos, isto ao mesmo tempo que rejeitou pedidos de acreditação de outros três. Uma resposta diplomática à morte de espião russo, Serguei Skripal, envenenado com gás tóxico no Reino Unido.

Chamada de embaixador português em Moscovo é “aviso” e “decisão forte”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou que a chamada do embaixador de Portugal em Moscovo para consultas a Lisboa constitui “um aviso” e “uma decisão forte por parte do Estado português”.

O cChefe de Estado falava à entrada para a estreia de uma peça no Teatro Municipal Mirita Casimiro, em Cascais, onde comentou esta decisão anunciada hoje à noite pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, em entrevista no Telejornal da RTP. “É uma forma muito clara de sinal ou, se quiser, de aviso”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações transmitidas pela RTP, acrescentando: “É uma decisão forte por parte do Estado português”.

Antes, o Presidente da República referiu que “a chamada do embaixador de Portugal em Moscovo para consultas a Lisboa, como se sabe, significa que durante um período, mais ou menos curto, mais ou menos longo, a presença do mais alto representante diplomático português num país deixa de existir”.

(Notícia atualizada com as declarações de Marcelo Rebelo de Sousa)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal chama embaixador português em Moscovo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião