Depois da Sophia, conheça a Vera. Esta robô ajuda as empresas a recrutarem trabalhadores humanos

Enquanto a humanoide Sophia insiste em prever que robôs vão roubar empregos a humanos, novo software Vera está a ajudar empresas gigantes a recrutar colaboradores... humanos.

Os robôs vão roubar os empregos aos humanos? A Sophia acredita que sim, mas a Vera está a provar o contrário. Este novo software humanoide de inteligência artificial está a ser usado por uma startup russa para ajudar os seus clientes — nomes tão relevantes como a Pepsi, a Ikea e a L’Oréal — a aumentar a eficiência do recrutamento de colaboradores… humanos.

Vera analisa currículos, faz entrevistas e seleciona os melhores candidatos para um dado emprego.Stafory

Criada por Vladimir Sveshnikov e Alexander Uraksin, a Vera combina a tecnologia de reconhecimento de voz presente em assistentes virtuais (como a Siri da Apple e a Alexa da Amazon) com o conhecimento da Wikipedia e a lista de anúncios de postos de emprego disponíveis.

De acordo com os criadores, o software consegue cortar um terço do tempo despendido no recrutamento, já que graças às suas múltiplas funcionalidades consegue entrevistar centenas de candidatos simultaneamente (por chamada de vídeo ou de voz) e selecionar os cerca de 10% mais adequados para os cargos à disposição que depois são avaliados pelos recrutadores humanos.

“Sentíamo-nos robôs nós próprios, portanto descobrimos que era melhor automatizar a tarefa”, explica Uraksin à Bloomberg, referindo a sua experiência enquanto membro de um departamento de recursos humanos.

A startup, que arrancou, em dezembro de 2016, na Rússia, já conquistou clientes no Médio-Oriente e está atualmente a desenvolver projetos-piloto na Europa e nos Estados Unidos. Este ano, a companhia espera, por isso, que as suas receitas ultrapassem o milhão de dólares (805 mil euros).

Por agora, Sveshnikov and Uraksin estão focados no desenvolvimento da Vera e no “ensino” do reconhecimento de raiva, prazer e desapontamento.

Até ao momento, o software já realizou 2.300 entrevistas e analisou mais de um milhão de currículos.

O desemprego provocado pela automatização tem sido apontado como um dos principais desafios que a humanidade terá de enfrentar nos próximos anos. Apesar dos receios, alguns especialistas acreditam que essa transformação acabará, no entanto, por criar novos empregos que mitigarão os efeitos do desaparecimento de algumas funções que serão assumidas por robôs.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da Sophia, conheça a Vera. Esta robô ajuda as empresas a recrutarem trabalhadores humanos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião