OMC atenta à subida de impostos sobre aço e alumínio

  • Lusa
  • 30 Março 2018

A OMC mantém-se “expectante” face ao rumo e às proporções das consequências provocadas pela medida dos Estados Unidos.

A Organização Mundial do Comércio (OMC) está a observar com grande atenção e cautela as primeiras consequências da decisão dos Estados Unidos de colocar barreiras aduaneiras ao comércio do aço e alumínio.

Citada pela agência EFE, a OMC mantém-se “expectante” face ao rumo e às proporções das consequências provocadas pela medida dos Estados Unidos.

Por sua vez, o ex-comissário do Comércio da União Europeia, Pascal Lamy, disse que a medida norte-americana é “típica da idade média” e que “será paga pelos consumidores”.

A decisão unilateral, anunciada pelos Estados Unidos no passado dia 8, de impor taxas de 25% às importações de aço e de 10% às de alumínio relançou o espetro de uma guerra comercial.

Esse risco aumentou na semana passada, quando a Casa Branca anunciou que pretende impor tarifas a importações chinesas que podem atingir os 60 mil milhões de dólares anuais, enquanto Pequim ripostou ameaçando as exportações norte-americanas, nomeadamente o setor da fruta.

Washington anunciou, também na semana passada, que vai lançar um processo contra a China junto da OMC, acusando Pequim de “infringir os direitos de propriedade intelectual” das suas empresas.

Na origem da tensão comercial entre as duas principais potências comerciais está o colossal défice comercial dos Estados Unidos com a China (375,2 mil milhões de dólares em 2017, segundo as autoridades chinesas).

Já a 23 de março, o diretor da Organização Mundial do Comércio advertiu que as novas barreiras aduaneiras põem “em perigo a economia mundial”, quando Pequim e Washington mantêm um braço de ferro comercial.

“A desestabilização dos fluxos comerciais vai pôr em perigo a economia mundial num momento em que a recuperação económica, apesar de frágil, é cada vez mais evidente no mundo inteiro”, afirmou, na altura, Roberto Azevedo, numa declaração escrita, sem mencionar qualquer país.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OMC atenta à subida de impostos sobre aço e alumínio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião