Centeno: “A carga fiscal não aumentou em Portugal”

  • ECO
  • 30 Março 2018

O ministro das Finanças contraria tese de que carga fiscal tenha aumentado. Diz estar "completamente" satisfeito com a Caixa Geral de Depósitos e assegura que Novo Banco não afetará contas públicas.

Mário Centeno descarta que a carga fiscal tenha aumentado em Portugal no ano passado e recusa que esse indicador seja usado como arremesso político descontextualizado.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) adiantou esta semana que a carga fiscal subiu, segundo a Lusa, para 37% do PIB no ano passado, face ao peso de 36,6% que tinha na economia em 2016. Tratou-se do peso mais elevado em pelo menos 22 anos. Apesar disto, o ministro das Finanças diz que o Governo não está a pedir mais às pessoas em termos contributivos.

“A carga fiscal é um conceito muito antigo que sobrevive por ser útil mas está está desfasado da realidade. Mede o peso da receita fiscal e contributiva no PIB. Mas a base que constitui a receita fiscal e contributiva não é o PIB. A massa salarial está a crescer em Portugal 7,6%, o que compara com 4,1% do PIB em termos nominais. Ou seja, sem termos aumentado a taxa contributiva — mantém-se igual –, o peso da receita de contribuições no PIB aumentou porque o emprego e os salários aumentaram mais do que o PIB”, explicou Mário Centeno em entrevista ao semanário Expresso (acesso pago).

Não estamos a pedir mais às pessoas em termos contributos, não aumentou a carga fiscal no sentido efetivo, mas esse indicador que mede a carga fiscal e contributiva no PIB subiu”, acrescentou.

Em reação a estes números, o líder do PSD exigiu ao Executivo que promovesse uma descida da carga fiscal. “Acho que era fundamental uma estratégia orçamental que levasse a uma redução da carga fiscal. Têm de ser sempre reduções pequeninas, mas em vez de haver aumentos pequeninos, haver reduções pequeninas”, declarou Rui Rio.

“Serei o último a dizer para não usarmos o indicador da carga fiscal, mas não podemos usá-lo como arremesso político descontextualizado“, responde agora Centeno.

Na mesma entrevista, o ministro das Finanças garante que não houve sacrifícios para que fosse atingido um défice de 0,91% do PIB em 2017 e assegurou que os valores finais das cativações de 2017 ficaram abaixo dos valores de 2016.

Por outro lado, questionado sobre o impacto da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, que atirou o défice oficial para 3%, Centeno rejeita que o Governo tenha preparado medidas para manter o défice abaixo da fasquia dos Procedimentos por Défices Excessivos. “Nunca me passaria pela cabeça que pudéssemos condicionar a condução da políticas a um evento desta natureza”, diz.

Sobre o banco público, que regressou aos lucros um ano antes do previsto, Centeno afirma estar “completamente” satisfeito. “Está a dar lucros e com o plano de negócios antecipado vários meses, o Governo confia na execução do plano”, frisou o governante.

Quanto ao Novo Banco, cujos prejuízos ascenderam a 1.400 milhões em 2017 e vão obrigar a um empréstimo do Estado na ordem dos 450 milhões de euros, Centeno assegura que não vai comprometer as contas públicas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno: “A carga fiscal não aumentou em Portugal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião