Carga fiscal subiu para 37% do PIB, a mais alta em 22 anos

  • Lusa
  • 26 Março 2018

INE anunciou, esta segunda-feira, que carga fiscal aumentou para 37% do Produto Interno Bruto no ano passado. Destaque sobretudo para o aumento da receita dos impostos sobre a produção e importação.

A carga fiscal aumentou para 37% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado, face ao peso de 36,6% que tinha na economia em 2016, segundo números divulgados, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). É o peso mais elevado em, pelo menos, 22 anos.

De acordo com o INE, o défice orçamental no conjunto de 2017 totalizou 3% do PIB, incluindo a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD). Excluindo esta operação, o défice teria sido de 0,9% do PIB.

O INE destaca os aumentos da receita dos impostos sobre a produção e importação (6,1%), nomeadamente o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), das contribuições sociais (5,1%) e dos impostos sobre o rendimento e património (3,3%).

O aumento do peso dos impostos na economia deve-se sobretudo ao crescimento das receitas com impostos sobre a produção e importação (indiretos), que totalizaram 15% do PIB (mais 0,3 pontos percentuais do que em 2016), e da subida das receitas com contribuições sociais, que representaram 11,8% do PIB (mais 0,2 pontos).

Por outro lado, o peso das receitas com impostos sobre o rendimento e património (diretos) na economia diminuiu ligeiramente, de 10,3% do PIB em 2016 para 10,2% em 2017.

Assim, foram cobrados 71.446,4 milhões de euros em impostos e contribuições sociais: 19.714,6 milhões em impostos sobre o rendimento e património, 29.028 milhões de euros em impostos sobre a produção e importação e 22.704,2 milhões de euros em contribuições sociais.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), a carga fiscal mede-se pelo valor total dos impostos e contribuições efetivas para a Segurança Social face ao PIB.

Mesmo no caso de serem consideradas apenas as receitas com impostos – excluindo as contribuições sociais (o conceito de carga fiscal utilizado pela Comissão Europeia), o peso dos impostos na economia teria aumentado, de 25% para 25,2%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carga fiscal subiu para 37% do PIB, a mais alta em 22 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião