Estado empresta até 450 milhões ao Fundo de Resolução para financiar Novo Banco

O Fundo de Resolução vai ter de injetar 792 milhões de euros no Novo Banco. Deste montante, o Estado empresta no máximo 450 milhões de euros. O restante dinheiro virá do próprio Fundo.

O Fundo de Resolução vai ter de injetar 792 milhões de euros no Novo Banco. Deste montante, o Estado empresta no máximo 450 milhões de euros. O restante dinheiro virá do bolso do próprio Fundo.

“O montante concreto desse empréstimo [do Estado] ainda não está fixado, mas estima‐se que não ultrapasse os 450 milhões de euros, ficando assim aquém do limite anual de 850 milhões de euros, inscrito no Orçamento do Estado”, diz o Fundo de Resolução num comunicado divulgado esta quarta-feira. Este valor fica em linha com aquilo que ECO tinha avançado em primeira mão.

No âmbito da venda parcial do banco ao Lone Star, o Fundo de Resolução comprometeu-se a efetuar pagamentos até 3,9 mil milhões ao Novo Banco, no caso de degradação de um conjunto de ativos e deterioração dos níveis de capitalização da instituição. Foi o que aconteceu em 2017, depois dos prejuízos históricos de mais de 1.390 milhões de euros anunciados esta quarta-feira e que decorrem, sobretudo, do elevado montante de imparidades.

O Fundo de Resolução diz que vai utilizar, em primeiro lugar, os recursos financeiros que tem disponíveis e que resultam das contribuições pagas pelo setor bancário. O remanescente virá de um empréstimo do Tesouro. Para tal, o Fundo de Resolução, que funciona junto do Banco de Portugal, terá de enviar um pedido à tutela, no Ministério das Finanças, que só depois autoriza o empréstimo do Tesouro.

Este pagamento de 792 milhões ao Novo Banco será realizado após a certificação legal das contas e após um procedimento de verificação, a realizar por uma entidade independente, para confirmar se o montante a pagar pelo Fundo foi corretamente apurado.

No mesmo comunicado, o Fundo liderado por Máximo dos Santos adianta que já desembolsou 4,9 mil milhões de euros para suportar o Novo Banco, instituição que nasceu em agosto de 2014 com a medida de resolução aplicada ao BES.

“Desde essa data, o Fundo de Resolução não realizou qualquer outro pagamento relacionado com o Novo Banco, mas já inscreveu nas suas contas, relativas a 2017, uma provisão de 792 milhões de euros, relativa ao pagamento a realizar em 2018”, informa ainda o Fundo.

(Notícia atualizada às 21h04)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estado empresta até 450 milhões ao Fundo de Resolução para financiar Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião