Governo vai negociar “transição” para o fim do banco de horas

  • ECO
  • 1 Abril 2018

Miguel Cabrita, secretário de Estado do Emprego, diz que Governo pretende chegar a um entendimento com os parceiros sociais sobre as propostas para o mercado de trabalho.

O Governo quer eliminar o banco de horas individual, mas o fim deste mecanismo não será feito de um dia para o outro. Quem o garante é o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, que adianta que o Executivo quer negociar com os parceiros sociais a transição para o fim deste mecanismo de gestão de horários e de poupança com horas extraordinárias — que os patrões querem que seja mantido.

“Essas questões têm de ser ponderadas porque quando uma lei entra em vigor é preciso ter muito cuidado com a retroatividade ou com o caráter retrospetivo das leis. É uma questão constitucional, tem sempre de haver mecanismos de transição”, afirmou o secretário de Estado do Emprego em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1 (acesso livre).

Aquando da apresentação desta medida, o Governo defendeu perante os parceiros sociais que a adoção do banco de horas deve estar reservada para a negociação coletiva e não individual. Mas a alteração que o Executivo pretende introduzir não agrada aos patrões, porque isso vai retirar competitividade às empresas nacionais.

"Essas questões têm de ser ponderadas porque quando uma lei entra em vigor é preciso ter muito cuidado com a retroatividade ou com o caráter retrospetivo das leis. É uma questão constitucional, tem sempre de haver mecanismos de transição.”

Miguel Cabrita

Secretário de Estado do Emprego

Segundo Miguel Cabrita, a transição para o fim do banco de horas vai depender do que ficar definido na lei. “Esses aspetos não estão fechados e fazem parte do diálogo que estamos a ter com os diferentes parceiros”, disse.

Em cima da mesa estão 27 propostas do Governo para mudar o mercado de trabalho e que vão agora começar a ser debatidas em concertação social. Além do fim do banco de horas, há uma proposta para penalizar a excessiva utilização de contratos a prazo através de uma taxa anual que será progressiva, variando entre 1% e 2%.

Mas só em 2019 é que a medida estará em vigor, sendo paga pelas empresas apenas em 2020, diz Miguel Cabrita na mesma entrevista. “É no fundo o ano em que as empresas podem corrigir comportamentos. É no final do ano que se determina se a empresa tem de pagar ou não”, sublinhou.

O secretário de Estado diz acreditar num acordo com os parceiros sociais, mas avisa que o Governo avançará na mesma caso as negociações não cheguem a bom porto.

“Não há nenhum governo que possa estar refém de qualquer processo de concertação. O nosso objetivo é conseguir uma posição que se aproxime tanto quanto possível das diferentes visões sobre as questões laborais”, disse Miguel Cabrita. “Mas em Portugal os poderes de veto são os que estão previstos na Constituição. Naturalmente que não deixaremos de tomar decisões”, afirmou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai negociar “transição” para o fim do banco de horas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião