Governo quer eliminar banco de horas individual

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 23 Março 2018

Objetivo do Governo é devolver este instrumento à negociação coletiva, contrariando a tendência para a excessiva individualização das relações laborais numa área crítica.

Estava no Programa do Governo e deverá avançar. O Executivo quer eliminar o banco de horas individual, uma medida que desagrada aos patrões. Esta sexta-feira, o ministro do Trabalho defendeu perante os parceiros sociais que a adoção de banco de horas deve estar reservada para a negociação coletiva.

Já existe uma proposta nesse sentido no Parlamento, mas também admite o fim da adaptabilidade individual. Em causa está um projeto de lei do Bloco de Esquerda, que baixou à especialidade sem votação. Porém, fonte do Governo garante que não é essa a sua posição: o Executivo só aponta baterias ao banco de horas individual.

O objetivo é devolver este instrumento à negociação coletiva, contrariando a tendência para a excessiva individualização das relações laborais numa área crítica, relacionada com tempos de trabalho. A lei laboral prevê já a existência de bancos de horas por regulamentação coletiva e grupais.

Os dados oficiais apontam para um fraco recurso ao banco de horas individual, mas a CIP – Confederação Empresarial de Portugal já contestou os números, apontando problemas na forma de apuramento. Para o Governo, o argumento de que há muitos interessados neste instrumento só dá mais força à ideia de que este deve seguir a via da negociação coletiva. Além disso, retirar esta área da contratação coletiva acaba por desvalorizá-la, defende.

Há ainda outras novidades neste âmbito. A possibilidade de caducidade das convenções coletivas é para manter — ao contrário do que defende a CGTP — mas, em caso de denúncia, uma das partes pode suscitar a suspensão do prazo de sobrevigência e pedir uma arbitragem ao conselho de árbitros do Conselho Económico e Social (CES), explicou fonte do Governo.

Esta suspensão pode chegar a seis meses e, de acordo com a mesma fonte, acresce aos prazos já hoje previstos na lei. O Código do Trabalho já admite a suspensão do prazo de sobrevigência quando as negociações forem interrompidas por mais de 30 dias, admitindo que aquele prazo possa estender-se de 12 para 18 meses.

O colégio arbitral deve avaliar se há justificação para dar um período adicional, com o objetivo de que as partes cheguem a acordo. Se decidir nesse sentido, é concedido esse período extra, que pode atingir seis meses. Havendo depois um acordo, é celebrada nova convenção coletiva; caso contrário, prossegue o processo de caducidade. Se o colégio arbitral entender que não há condições para acordo e decidir pela não extensão do prazo, prossegue igualmente o processo até à caducidade.

Além disso, o Governo também quer evitar a utilização indevida de mecanismos para potenciar a caducidade. Fonte do Executivo explica o que está em causa: há uma associação que é extinta só com o objetivo de promover a caducidade (excluindo casos de extinção judicial). A lei não diz o que acontece a essa convenção coletiva, mas deverá passar a fazê-lo — e a convenção não tem que caducar neste caso.

Outra proposta na mesa passa por fixar um prazo razoável para efeitos de adesão individual de trabalhadores a convenções coletivas, bem como estabelecer uma duração máxima para essa adesão, indica um documento do Executivo discutido com os parceiros.

(notícia atualizada às 18h00)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer eliminar banco de horas individual

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião