Governo vai taxar empresas com demasiados contratos a prazo

  • ECO
  • 22 Março 2018

O primeiro-ministro António Costa antecipou que irá apresentar esta taxa em concertação social esta sexta-feira, servindo para desincentivar a precariedade no setor privado.

O primeiro-ministro irá apresentar esta sexta-feira, em concertação social, uma nova taxa sobre as empresas que abusem dos contratos a prazo, abuso que será medido comparando-as com as restantes dos mesmos setores. António Costa antecipou, em entrevista à Visão, que esta medida para penalizar a criação de precariedade no setor privado substitui assim propostas anteriores de utilizar um aumento na Taxa Social Única para este efeito.

Falando à Visão numa entrevista que só será publicada na próxima semana mas que foi antecipada pela revista na sua versão digital, António Costa explicou que será proposta a criação de “uma taxa que incidirá sobre as empresas que abusem da rotação relativamente ao respetivo setor”, penalizando assim aquelas que usem mais contratos a prazo do que o habitual.

Sem adiantar mais detalhes desta proposta, o primeiro-ministro referiu que o aumento da TSU para certas empresas, como fora falado com os parceiros de esquerda mas contestados pelo patronato, não deverá ir para a frente.

Para além desta medida a apresentar esta sexta-feira, dia 23, na reunião em que o Governo traz o seu pacote laboral para a mesa da concertação social com os patrões e representantes dos trabalhadores, António Costa explicou ainda que vai propor a abolição do banco de horas individual do Código de Trabalho, assim como limitar “os fundamentos do recurso ao contrato a prazo”, também no sentido de reduzir a precariedade.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai taxar empresas com demasiados contratos a prazo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião