Agravar TSU não resolve precariedade. PCP quer garantir contratos efetivos

Sem resolver o problema da precariedade através de contratos efetivos para postos de trabalho permanentes, "qualquer medida será uma falsa solução", defende Jerónimo de Sousa.

O Governo deverá deixar cair o agravamento da taxa social única (TSU) para contratos a prazo e para as empresas com elevados níveis de rotação de pessoal, segundo a informação avançada esta terça-feira pelo Jornal de Negócios. Na reação a esta notícia, Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, já avisou que a medida está prevista no programa de Governo e é para cumprir. Já do lado do PCP, Jerónimo de Sousa não se mostra preocupado com a possibilidade de este agravamento não chegar a avançar. “Não é com mais ou menos descontos para a Segurança Social ou com políticas fiscais que se resolve o problema da precariedade”, diz o líder comunista. É garantindo contratos efetivos para trabalhadores com postos permanentes.

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, já veio desmentir que o Governo esteja pronto para deixar cair o agravamento da TSU, dizendo apenas que a “forma concreta” para penalizar as contratações a prazo “ainda está por decidir”.

Ainda assim, Jerónimo de Sousa considera que o Governo está “longe de corresponder” às expectativas do PCP no que toca a questões como as alterações à legislação laboral. “Os posicionamentos que são conhecidos estão longe de corresponder a um caminho que entendíamos necessário”, disse o secretário-geral do PCP, questionado pelos jornalistas à margem de uma ação do PCP junto dos trabalhadores da OGMA, em declarações transmitidas pela SIC Notícias.

Já sobre a questão específica da TSU, Jerónimo de Sousa refere que “independentemente dessa iniciativa, há uma questão central que tem de ser resolvida: não é com mais ou menos descontos para a Segurança Social ou com políticas fiscais que se resolve o problema da precariedade”. Este problema, afirma, “resolve-se quando for assumido um princípio fundamental: um posto de trabalho permanente deve corresponder a um contrato de trabalho efetivo”.

"Não é com mais ou menos descontos para a Segurança Social ou com políticas fiscais que se resolve o problema da precariedade. O problema resolve-se quando for assumido um princípio fundamental: um posto de trabalho permanente deve corresponder a um contrato de trabalho efetivo.”

Jerónimo de Sousa

Secretário-geral do PCP

E acrescenta: “A TSU não é a solução que consideramos melhor, seja de agravamento ou de desagravamento. Desagrava-se e os trabalhadores continuam com vínculos precários? Sem resolver este problema, qualquer medida será uma falsa solução”.

Quanto ao impacto que este recuo do Governo poderá ter sobre os acordos à esquerda, Jerónimo de Sousa não coloca o próximo Orçamento do Estado em causa, mas também não garante que votará a favor. “O PCP não se compromete com um voto a favor ou contra sem o conhecimento real dessa proposta. É perante uma proposta concreta que decidiremos”, adianta Jerónimo de Sousa, sublinhando que “o compromisso principal do PCP não é com o PS, mas com os trabalhadores”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Agravar TSU não resolve precariedade. PCP quer garantir contratos efetivos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião