TSU: Vieira da Silva garante que está tudo em cima da mesa

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 27 Fevereiro 2018

Sobre eventuais alterações à TSU em função do tipo de contrato, o ministro do Trabalho garante que não deixou cair nenhuma proposta mas adianta que a "forma concreta ainda está por decidir".

O ministro Vieira da Silva garante que “não deixou cair nenhuma proposta” no que toca a eventuais mexidas na TSU para penalizar a contratação a termo. Ainda assim, “a forma concreta ainda está por decidir”, notou. Reagindo à notícia avançada esta terça-feira pelo Jornal de Negócios (acesso pago), de que o Executivo desistiu de agravar os descontos das empresas com contratos a prazo, o responsável pela pasta do Trabalho e da Segurança Social disse que “as hipóteses estão todas em cima da mesa”.

“O Governo não deixou cair nenhuma proposta”, disse Vieira da Silva, à margem do Encontro Nacional com representantes das entidades do Grupo de Implementação, Monitorização e Avaliação da Estratégia (GIMAE). De acordo com o ministro, o Governo já apresentou um conjunto de questões aos parceiros sociais, “e uma das quais tinha a ver com uma diferenciação contributiva das diferentes formas de contacto”, acrescentando que “o processo não está fechado”.

O objetivo de criar um “incentivo” para que as empresas recorram menos a esse tipo de vínculos, que “possa significar um agravamento das condições das empresas que recorrem de forma excessiva aos contratos a termo certo, permanece no Programa do Governo e nos seus objetivos, e nos próximos tempos temos o compromisso de apresentar à concertação social proposta nesse sentido“, frisou Vieira da Silva.

O Código Contributivo já prevê o agravamento das contribuições das empresas com contratos a termo, reduzindo simultaneamente os descontos no caso de contratos permanentes, mas a norma está por regulamentar. O Primeiro-Ministro prometeu apresentar, até março, a medida diferenciação contributiva mas falta saber se, a avançar, o que está em causa é a opção já desenhada na lei ou outra. Os partidos da esquerda já se mostraram contra a descida da TSU e, de acordo com o Negócios, é o facto de só quererem a medida pela metade que leva o Governo a deixar cair a opção.

Admite então o Governo avançar com a medida sem o apoio da esquerda? “Tenho dúvidas de que tenham essa posição mas isso é algo que se verá”, responde o ministro.

Pode a medida avançar pela metade?

Questionado sobre se a medida pode então avançar apenas no parte que diz respeito ao agravamento das contribuições patronais no caso de contratos a prazo (sem reduzir no caso de contratos permanentes), Vieira da Silva salienta que o Programa do Governo refere “nomeadamente a penalização da situação de excessiva rotatividade”, associada “a fenómenos de precarização excessiva das relações laborais”. “A forma como poderá essa diferenciação ser concretizada ainda não foi apresentada publicamente, será nas próximas semanas”.

Ainda assim, Vieira da Silva vinca: “gostaria de dizer claramente que as hipóteses estão todas em cima da mesa, estamos a estudá-las” e serão avaliadas com os parceiros sociais e com os “parceiros do arco parlamentar que apoia esta Governo”. “É uma questão cuja forma concreta ainda está por decidir”, disse o governante, lembrando porém que dois terços do subsídio de desemprego é gerado por trabalho precário e “o Governo não vai desistir desse combate”.

Bloco de Esquerda deixou críticas

Também em reação à notícia do Jornal de Negócios, o Bloco de Esquerda já veio dizer que “o Programa do Governo diz claramente que pretende uma taxa agravada para empresas que recorram a trabalho precário”.

Catarina Martins falou aos jornalistas durante as jornadas parlamentares do BE que estão a decorrer em Leiria e citada pelo Expresso, nota: “É ler o programa do Governo”.

(Notícia atualizada às 11h56)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TSU: Vieira da Silva garante que está tudo em cima da mesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião