Conselho Nacional do PSD reúne-se hoje pela primeira vez sob liderança de Rio

  • Lusa
  • 3 Abril 2018

O primeiro Conselho Nacional do PSD sob a liderança de Rui Rio realiza-se hoje, no Porto, e servirá para eleger José Silvano como novo secretário-geral do partido.

O primeiro Conselho Nacional do PSD sob a liderança de Rui Rio realiza-se esta terça-feira, no Porto, e servirá para eleger José Silvano como novo secretário-geral do partido.

Na convocatória, assinada pelo presidente do Conselho Nacional, Paulo Mota Pinto, é referido que a ordem de trabalhos terá dois pontos: o primeiro é a eleição do secretário-geral, tal como previsto nos estatutos do partido, e o segundo será a análise da situação política. A reunião do órgão máximo do PSD entre Congressos tem início marcado para as 21:00, num hotel do Porto.

Na sequência da demissão, em 18 de março, de Feliciano Barreiras Duarte do cargo de secretário-geral social-democrata, após notícias sobre irregularidades no seu currículo e uma alegada falsidade na morada que indicou no parlamento, o PSD apontou, um dia depois, o deputado e antigo autarca de Mirandela José Silvano para o substituir, informando que entraria de imediato em funções.

No entanto, José Silvano – cujo nome que já foi ratificado pela Comissão Política Nacional na passada quarta-feira – terá ainda de ser eleito em Conselho Nacional, um processo que deverá ser pacífico.

Na primeira reunião entre o presidente do PSD, Rui Rio, e as distritais do partido, na quarta-feira à noite, o nome do novo secretário-geral foi elogiado pela generalidade dos presentes. Tratando-se de uma eleição, a votação será feita por escrutínio secreto, mas havendo apenas um candidato o boletim não deverá permitir votos contra.

Nessa mesma reunião com as distritais, que decorreu em tom “sereno e cordial”, segundo fontes presentes no encontro, foi apontada a falta de debate político sobre a estratégia do partido, tendo alguns dirigentes presentes remetido essa discussão para o Conselho Nacional de hoje do Porto.

Rui Rio foi eleito presidente do PSD em 13 de janeiro em diretas e empossado no Congresso realizado entre 16 e 18 de fevereiro, em Lisboa.

Neste mês e meio efetivo em funções, além da primeira baixa na direção, viu três membros da sua Comissão Permanente, o núcleo duro da direção, serem alvo de inquéritos abertos pelo Ministério Público, ainda sem desfecho conhecido: os vice-presidentes Salvador Malheiro e Elina Fraga, bem como o ex-secretário-geral Feliciano Barreiras Duarte.

Nestas primeiras semanas de liderança, Rui Rio já se reuniu por duas vezes com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e por uma vez com o primeiro-ministro, António Costa, com a líder do CDS-PP, Assunção Cristas, e com a bancada parlamentar do PSD.

No final de ambos os encontros com o chefe de Estado, Rui Rio salientou a disponibilidade dos sociais-democratas para o diálogo com os restantes partidos e, com António Costa, admitiu “uma nova fase” nas relações com o Governo.

Na sequência da reunião com o primeiro-ministro, foram definidas duas áreas de diálogo prioritárias – descentralização e novo quadro comunitário – e apontados dois coordenadores do PSD para debater com o executivo, Álvaro Amaro e Manuel Castro Almeida, respetivamente.

Com Assunção Cristas, Rui Rio disse ter tido uma conversa semelhante à que manteve com o primeiro-ministro, centrada nas questões estruturais, remetendo eventuais coligações com os centristas para depois (entretanto, o CDS-PP aprovou em Congresso a estratégia de ir sozinho a europeias e legislativas).

Recentemente, em declarações à Lusa e à TVI, o presidente do PSD deu um sinal de que o partido deverá votar contra o próximo Orçamento do Estado, afirmando que será “muito difícil, quase impossível” o voto favorável ou abstenção.

Na reunião do Porto, Rui Rio deverá apresentar aos conselheiros os seus objetivos para o Conselho Estratégico Nacional (CEN), órgão que será presidido pelo vice-presidente do partido David Justino e reunirá os porta-vozes do PSD em 16 áreas temáticas – os nomes ainda não são conhecidos -, tendo por missão preparar o programa eleitoral para 2019.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conselho Nacional do PSD reúne-se hoje pela primeira vez sob liderança de Rio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião