Costa chama ministro e secretário de Estado da Cultura para reunião em São Bento

  • Lusa
  • 3 Abril 2018

Fonte do Executivo afirma que o secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, deverá "dar mais esclarecimentos" sobre a estratégia seguida pelo Governo no apoio às artes.

O primeiro-ministro chamou esta terça-feira para uma reunião em São Bento os ministro e secretário de Estado da Cultura, Luís Castro Mendes e Miguel Honrado, para acompanhar o processo relativo à aplicação do programa de apoio às artes.

Fonte do executivo referiu à agência Lusa que ainda durante o dia de hoje o secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, deverá “dar mais esclarecimentos” sobre a estratégia seguida pelo Governo neste caso dos concursos de apoio às artes – uma matéria que tem suscitado protestos de companhias e de criadores. Pela parte do Governo, existe a convicção de que, nesta polémica, “há questões que estão mal esclarecidas junto da opinião pública”.

“Há 16 novas companhias abrangidas pelos apoios e no teatro o financiamento médio subiu de 108 para 131 mil euros. Por outro lado, o Governo anunciou um reforço na ordem dos dois milhões de euros. Na listagem conhecida, esses novos apoios de reforço não estavam ainda contabilizados”, acrescentou a mesma fonte.

"Há 16 novas companhias abrangidas pelos apoios e no teatro o financiamento médio subiu de 108 para 131 mil euros. Por outro lado, o Governo anunciou um reforço na ordem dos dois milhões de euros. Na listagem conhecida, esses novos apoios de reforço não estavam ainda contabilizados.”

Fonte do Governo

Os resultados provisórios dos concursos ao Programa de Apoio Sustentado 2018-2021 da Direção-Geral das Artes, conhecidos na sexta-feira, têm suscitado protestos. No sábado, em Lisboa, um conjunto de agentes do teatro reuniu-se em contestação ao processo de atribuição das verbas plurianuais, tendo decidido constituir uma plataforma e pedir uma reunião ao primeiro-ministro, António Costa.

Os concursos ao Programa de Apoio Sustentado às Artes 2018-2021 abriram em outubro, com um valor global de 64,5 milhões de euros para apoiar modalidades de circo contemporâneo e artes de rua, dança, artes visuais, cruzamentos disciplinares, música e teatro. No sábado, o Governo anunciou um reforço do montante disponível até 2021, para 72,5 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa chama ministro e secretário de Estado da Cultura para reunião em São Bento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião