Portugal está na cauda da Europa nas despesas com a Cultura

  • Marta Santos Silva
  • 3 Abril 2018

O Ministério da Cultura está sob fogo devido à dotação para os agentes culturais, tendo já anunciado um aumento num dos programas de financiamento. Na UE, Portugal está no pódio dos que menos gastam.

Desde sexta-feira que o Ministério da Cultura está debaixo de fogo pelo financiamento das artes em Portugal, críticas desencadeadas pela divulgação dos resultados da atribuição de fundos do Programa de Apoio Sustentado da Direção-Geral das Artes. Com especial destaque para a área do teatro, ficaram de fora candidatos com ampla história de criação cultural ou vindos de partes do país como Évora ou Covilhã onde não existia mais do que um projeto candidato, o que resultou em contestação vinda não só dos agentes artísticos mas também política. O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, anunciou mesmo um reforço do financiamento da Direção-Geral das Artes já este ano e até 2021, o que não é suficiente para partidos como o PCP, que pediu uma audição urgente do ministro no Parlamento.

No panorama europeu, Portugal é dos menos gasta em cultura, encontrando-se, dependendo da forma como se calcula a despesa, em 3.º ou 4.º lugar na lista a contar de baixo. Enquanto países como a Hungria ou a Islândia gastam mais de 3% do PIB em “cultura, recreação e religião”, como o Eurostat classifica estas despesas, Portugal está abaixo da média europeia, que se fixa nos 1%, com apenas 0,8% do PIB dedicados a esta área. Os dados publicados em 2017 são relativos ao ano de 2016, quando o Governo de António Costa já estava em funções.

O Eurostat também calcula quanto é que cada país gasta da sua despesa total em “cultura, recreação e religião”, o que permite perceber melhor como é que estas prioridades se encaixam na distribuição do orçamento. A Hungria continua em primeiro lugar: 7,2% da sua despesa total vai para este campo. Segue-se a Islândia e a Estónia, ambas acima de 5%. A média da União Europeia fixa-se nos 2,2%, e Portugal está em 4.º lugar a partir do fundo, com 1,8%.

Despesa na área da cultura, recreação e religião

Fonte: Eurostat

O Eurostat desagrega ainda, no gráfico abaixo, as despesas por área dentro deste grande grupo. É possível ver que Portugal gasta ligeiramente mais na área do desporto e do lazer do que na cultura, apesar de os valores serem ainda estimativas.

Despesa na área da cultura, recreação e religião por áreas

Despesas de cultura, recreação e religião na União Europeia, em percentagem do PIB, de acordo com as diferentes áreas. Fonte: EurostatInfografia: Ana Raquel Moreira, Eurostat.

À RTP esta segunda-feira, Luís Filipe Castro Mendes garantiu que o Ministério da Cultura “não deixará cair” estruturas culturais que tenham ficado de fora dos concursos da Direção-Geral das Artes mas que “quer pela sua história, quer pelo seu passado, quer pela atividade que têm hoje (…) merecem” apoio.

Jorge Barreto Xavier, secretário de Estado da Cultura do Governo de Passos Coelho, disse à Renascença que nunca houve uma situação como a que se vê atualmente na cultura. “No Governo do qual eu fiz parte tivemos de enfrentar, infelizmente, uma situação de grande escassez e apesar disso não houve, de maneira nenhuma, um problema deste tipo. Portanto o problema aqui não é só de dinheiro, é um problema de governação e gestão”, sublinhou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal está na cauda da Europa nas despesas com a Cultura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião