Fotogaleria: Acionistas da EDP aprovam contas e nova gestão

  • Ana Batalha Oliveira
  • 5 Abril 2018

Os acionistas da elétrica estão reunidos esta quinta-feira em assembleia geral. António Mexia prepara-se para um novo mandato.

A assembleia-geral da EDP, na qual será oficializado o quinto mandato de António Mexia à frente da elétrica, está a decorrer esta tarde na sede da empresa. O evento reúne os membros do Conselho Executivo com os grandes acionistas, como a China Three Gorges. Para além da aprovação dos órgãos de gestão, vão ser discutidas as contas de 2017 e o destino que vão ter os recursos da elétrica.

No centro da mesa vão estar as contas individuais e consolidadas de 2017, acompanhadas do parecer do Conselho Geral de Supervisão. Segue-se a deliberação sobre a “aplicação de resultados do exercício de 2017”, lê-se na convocatória.

Gestores e acionistas da EDP à entrada da AG

Para o final do encontro fica a aprovação dos líderes que estarão à frente da elétrica nos próximos três anos. Uma das novidades é Luís Amado, ex-ministro socialista, que será o novo presidente do Conselho Geral de Supervisão, em substituição de Eduardo Catroga, ex-ministro social-democrata. Também está presente a única “aquisição” que chega de fora do universo EDP. É Vera Pinto Pereira, que deixou o cargo de managing diretor da Fox na Península Ibérica.

António Mexia mantém-se na posição de CEO, pelo quinto mandato consecutivo, apesar de no último ano se ter deparado com eventos com potencial para abalar a sua liderança. Foi constituído arguido no âmbito do caso dos CMEC, enfrentando acusações de corrupção, e a ERSE anunciou que quer cortar as rendas decorrentes destes contratos em 167,1 milhões de euros nos próximos dez anos. O alegado apoio à intenção de fusão da espanhola Gas Natural com a EDP também terá desagradado aos acionistas chineses.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fotogaleria: Acionistas da EDP aprovam contas e nova gestão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião