Investidor chinês indicado ao Montepio pelo Governo

  • ECO
  • 6 Abril 2018

A empresa chinesa que comprou 60% da Montepio Seguros chegou à Associação Mutualista pelo gabinete do primeiro-ministro, que encaminhou uma proposta, garantiu Tomás Correia.

Foi o Governo que encaminhou para o Montepio a proposta do investidor chinês que compraria, no ano passado, 60% da Montepio Seguros, segundo revela esta sexta-feira o Público com base na ata dessa reunião, onde António Tomás Correia o garante.

O presidente da Associação Mutualista explicou, nessa reunião de 19 de setembro com o Conselho Geral, que o gabinete do primeiro-ministro fez chegar à associação “uma proposta” de “encetar conversações” para uma parceria “nas áreas dos seguros e da banca”. A proposta era do grupo chinês CEFC-China Energy Company Limited, que comprou 60% da Montepio Seguros, e chegou depois da visita de António Costa à China no final de 2016.

O Público escreve que Tomás Correia afirmou que a seguradora Lusitânia ia continuar a funcionar como habitualmente sem qualquer acordo de cooperação que visasse a utilização de um canal bancário”, aconselhando que se considere a hipótese de negócio com os chineses. A empresa CEFC quereria “instalar um centro financeiro na Europa, sedeado em Portugal, entrando a CEFC com capital na Lusitânia”.

Fonte oficial do gabinete do primeiro-ministro referiu que este “recebeu no ano passado uma delegação do grupo CEFC que transmitiu o interesse empresarial de investir em Portugal”, mas que “não foi abordado o tema Montepio Geral”.

Entretanto, já esta manhã, o gabinete do Primeiro-ministro enviou uma mensagem às redações na qual desmente a notícia avançada pelo jornal. “Desmente-se formal e cabalmente a manchete de hoje do diário Público, conforme esclarecimento já ontem prestado ao respetivo jornal”, pode ler-se.

Notícia atualizada às 11h06 com reação do gabinete de António Costa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investidor chinês indicado ao Montepio pelo Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião